Raúl Castro: Cuba pode trabalhar com Trump se a soberania do país for respeitada

"Cuba e os Estados Unidos podem cooperar e viver juntos de forma civilizada", disse Castro

O Presidente Raúl Castro defendeu que Cuba tem disponibilidade para manter negociações com a nova Administração norte-americana de Donald Trump, mas alertou que o seu país não fará quaisquer cedências em termos de soberania.

Castro comentou a relação entre os dois países durante a cimeira de líderes da América Latina e Caraíbas, que decorre na República Dominicana e que foi dominada pelas políticas de imigração e comércio de Trump e pelas críticas do novo Presidente à aproximação entre Cuba e os Estados Unidos, que foi promovida pelo seu antecessor, Barack Obama.

"Cuba e os Estados Unidos podem cooperar e viver juntos de forma civilizada", disse Castro na quarta-feira, num discurso durante a cimeira da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos.

O Presidente cubano disse que o seu país vai continuar a normalizar as relações com Washington mas frisou que Cuba não fará "concessões inerentes à sua independência e soberania" para o conseguir.

Os líderes afastaram-se dos temas de discussão esperados depois de Trump ter assinado uma ordem executiva para a construção de um muro na fronteira com o México e ter retirado apoio às chamas cidades santuário nos Estados Unidos, que não prendem ou detêm os imigrantes que vivem ilegalmente no país, ou seja, protegem a deportação de indocumentados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.