Rato atrasa voo para São Francisco

Animal foi visto num avião que se preparava para partir de Heathrow, em Londres, para a cidade norte-americana

Um avião da British Airways, que se preparava para levantar voo do Aeroporto de Heathrow para São Francisco, nos EUA, foi obrigado a permanecer em terra porque um rato foi visto dentro da aparelho.

Todos os passageiros estavam já a bordo, na manhã desta quarta-feira, quando foi anunciado que ia haver um pequeno atraso. Foram então informados que teriam de mudar de avião e que a situação ainda ia demorar horas a ser resolvida.

Em declarações à BBC, alguns passageiros não conseguiam acreditar no que se passou. "Foi uma ocorrência pouco usual", afirmou uma pessoa. Outra passageira, de nome Carly", afirmou que "as pessoas não sabiam como reagir, porque não acreditavam no que estava a acontecer".

Quatro horas depois, lá surgiu um novo voo, com alguns dos passageiros, com alguma boa disposição, a terem já tweetado sobre a situação.

"Sabemos que toda a gente quer viajar connosco para São Francisco, mas nesta ocasião um passageiro muito pequeno teve de voltar para trás. Toda a gente com duas pernas está agora a caminho da California", escreveu a British Airways.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.