Rato atrasa voo para São Francisco

Animal foi visto num avião que se preparava para partir de Heathrow, em Londres, para a cidade norte-americana

Um avião da British Airways, que se preparava para levantar voo do Aeroporto de Heathrow para São Francisco, nos EUA, foi obrigado a permanecer em terra porque um rato foi visto dentro da aparelho.

Todos os passageiros estavam já a bordo, na manhã desta quarta-feira, quando foi anunciado que ia haver um pequeno atraso. Foram então informados que teriam de mudar de avião e que a situação ainda ia demorar horas a ser resolvida.

Em declarações à BBC, alguns passageiros não conseguiam acreditar no que se passou. "Foi uma ocorrência pouco usual", afirmou uma pessoa. Outra passageira, de nome Carly", afirmou que "as pessoas não sabiam como reagir, porque não acreditavam no que estava a acontecer".

Quatro horas depois, lá surgiu um novo voo, com alguns dos passageiros, com alguma boa disposição, a terem já tweetado sobre a situação.

"Sabemos que toda a gente quer viajar connosco para São Francisco, mas nesta ocasião um passageiro muito pequeno teve de voltar para trás. Toda a gente com duas pernas está agora a caminho da California", escreveu a British Airways.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.