Crianças raptadas no Novo México estariam a ser treinadas para tiroteios em escolas

Autoridades acreditam que as 11 crianças mantidas em cativeiro estavam a ser ensinadas a mexer em armas com o objetivo de realizar ataques em escolas

As primeiras suspeitas apontavam para cerimónias de exorcismos, mas as autoridades acreditam que as 11 crianças que foram encontradas na sexta-feira, 3 de agosto, escondidas num complexo rural em Taos, no Novo México, estavam a ser treinadas para manusear armas com o objetivo de realizar ataques em escolas.

Nos documentos que foram apresentados esta quarta-feira em tribunal, os procuradores afirmaram que se os arguidos "forem libertados sob custódia, há probabilidade que cometam novos crimes devido ao planeamento e preparação para futuros tiroteios em escolas", de acordo com a CNN. As autoridades referiram que o local onde foram encontradas as crianças teria um campo de tiro improvisado e armas de fogo. Cinco pessoas foram detidas.

"Eles estavam magros, com as costelas à mostra, estavam sem condições de higiene e muito assustados", disse o polícia do Condado de Taos, Jerry Hogrefe, na altura em que as autoridades descobriram o local de cativeiro de 11 crianças, com idades entre o 1 e os 15 anos, que, após terem sido resgatadas foram entregues à Segurança Social. "Eu sou polícia há 30 anos. Nunca vi nada assim. Inacreditável", disse ainda o agente à CNN.

"Ele representa um grande perigo para as crianças encontradas na propriedade, bem como uma ameaça para a comunidade", disse o procurador sobre um dos suspeitos

A descoberta aconteceu na sequência das buscas por Abdul-Ghani Wahhaj, um menino de três anos que alegadamente foi raptado pelo pai, Siraj Ibn Wahhaj, um dos cinco detidos pelas autoridades na sexta-feira, juntamente com outros elementos da família, como as irmãs Hujrah e Subhannah.

Os suspeitos, que dizem ser inocentes, são acusados de abuso infantil e vão ser ouvidos em tribunal na segunda-feira. As mulheres serão as mães de algumas das crianças que foram encontradas pela polícia. Quando ao menino que motivou as buscas, ainda não se sabe o que lhe terá acontecido. No complexo rural foram encontrados restos mortais de uma criança, mas ainda não há confirmação sobre se pertencem a Abdul-Ghani Wahhai.

No tribunal, o procurador Timothy Hasson pediu para que o pai da criança desaparecida fosse mantido preso preventivamente sem direito a fiança. "Ele representa um grande perigo para as crianças encontradas na propriedade, bem como uma ameaça para a comunidade, devido à presença de armas de fogo e à sua intenção de usar essas armas de forma violenta e ilegal", lê-se no documento assinado por Hasson, citado pela BBC.

De acordo com a imprensa norte-americana, o pai de Siraj Wahhaj é um imã, considerado como "um dos mais admirados" líderes muçulmanos nos EUA.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.