Crianças raptadas no Novo México estariam a ser treinadas para tiroteios em escolas

Autoridades acreditam que as 11 crianças mantidas em cativeiro estavam a ser ensinadas a mexer em armas com o objetivo de realizar ataques em escolas

As primeiras suspeitas apontavam para cerimónias de exorcismos, mas as autoridades acreditam que as 11 crianças que foram encontradas na sexta-feira, 3 de agosto, escondidas num complexo rural em Taos, no Novo México, estavam a ser treinadas para manusear armas com o objetivo de realizar ataques em escolas.

Nos documentos que foram apresentados esta quarta-feira em tribunal, os procuradores afirmaram que se os arguidos "forem libertados sob custódia, há probabilidade que cometam novos crimes devido ao planeamento e preparação para futuros tiroteios em escolas", de acordo com a CNN. As autoridades referiram que o local onde foram encontradas as crianças teria um campo de tiro improvisado e armas de fogo. Cinco pessoas foram detidas.

"Eles estavam magros, com as costelas à mostra, estavam sem condições de higiene e muito assustados", disse o polícia do Condado de Taos, Jerry Hogrefe, na altura em que as autoridades descobriram o local de cativeiro de 11 crianças, com idades entre o 1 e os 15 anos, que, após terem sido resgatadas foram entregues à Segurança Social. "Eu sou polícia há 30 anos. Nunca vi nada assim. Inacreditável", disse ainda o agente à CNN.

"Ele representa um grande perigo para as crianças encontradas na propriedade, bem como uma ameaça para a comunidade", disse o procurador sobre um dos suspeitos

A descoberta aconteceu na sequência das buscas por Abdul-Ghani Wahhaj, um menino de três anos que alegadamente foi raptado pelo pai, Siraj Ibn Wahhaj, um dos cinco detidos pelas autoridades na sexta-feira, juntamente com outros elementos da família, como as irmãs Hujrah e Subhannah.

Os suspeitos, que dizem ser inocentes, são acusados de abuso infantil e vão ser ouvidos em tribunal na segunda-feira. As mulheres serão as mães de algumas das crianças que foram encontradas pela polícia. Quando ao menino que motivou as buscas, ainda não se sabe o que lhe terá acontecido. No complexo rural foram encontrados restos mortais de uma criança, mas ainda não há confirmação sobre se pertencem a Abdul-Ghani Wahhai.

No tribunal, o procurador Timothy Hasson pediu para que o pai da criança desaparecida fosse mantido preso preventivamente sem direito a fiança. "Ele representa um grande perigo para as crianças encontradas na propriedade, bem como uma ameaça para a comunidade, devido à presença de armas de fogo e à sua intenção de usar essas armas de forma violenta e ilegal", lê-se no documento assinado por Hasson, citado pela BBC.

De acordo com a imprensa norte-americana, o pai de Siraj Wahhaj é um imã, considerado como "um dos mais admirados" líderes muçulmanos nos EUA.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.