Rangel reeleito vice-presidente do grupo do Partido Popular Europeu

Esta é a quarta vez sucessiva que Rangel é eleito para um cargo de direção do grupo do PPE

O eurodeputado Paulo Rangel (PSD) foi reeleito vice-presidente do grupo político do Partido Popular Europeu (PPE), o maior no Parlamento Europeu e que integra os eleitos pelo PSD e o do CDS, foi hoje divulgado.

Esta é a quarta vez sucessiva que Rangel é eleito para um cargo de direção do grupo do PPE desde que integrou o PE como deputado, em 2009, mantendo os pelouros de liderança da rede dos grupos de reflexão (European Ideas Network) e a coordenação do grupo de trabalho sobre o futuro da Europa.

Juntamente com Rangel, foram hoje eleitos outros nove vice-presidentes do grupo, cujo presidente continua a ser o alemão Manfred Weber.

"Esta reeleição representa a confiança depositada pelos meus colegas deputados no trabalho que tenho vindo a desenvolver", disse o eurodeputado, em comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.