Ramos Horta defende renovação e transição na liderança da Fretilin

O líder histórico timorense José Ramos Horta defendeu esta quarta-feira que o secretário-geral da Fretilin, Mari Alkatiri, deve iniciar um processo de "renovação da liderança" do partido "muito rapidamente" para bem do partido e da nação.

"A idade não perdoa e esses anos desgastam-nos pessoal e politicamente", disse Ramos Horta. "É altura, sobretudo depois de o presidente Lu-Olo ter sido eleito, é urgente que Mari Alkatiri lidere um processo de transição que tem de acontecer muito rapidamente. É altura de pensar na renovação da liderança", sublinhou.

Ramos Horta, Nobel da Paz, integrou o VII Governo constitucional como ministro de Estado, após ter ele próprio regressado à militância ativa da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin).

Nas eleições legislativas antecipadas de 12 de maio, a Fretilin foi a segunda força política mais votada - atrás da Aliança de Mudança para o Progresso (AMP), uma coligação de três partidos, encabeçada por Xanana Gusmão (CNRT) e Taur Matan Ruak (PLP), que inclui ainda o KHUNTO.

Para Ramos Horta, o período pós-eleições é oportuno para repensar o futuro da liderança da Fretilin, permitindo assim a Mari Alkatiri ficar "mais liberto" para eventualmente exercer outras funções no aparelho de Estado, se assim o entender o próximo Governo.

Nesse sentido, Horta disse esperar que os líderes da AMP, Xanana Gusmão e Taur Matan Ruak, "façam justiça ao seu próprio estatuto de grandes líderes", e "convidem Mari Alkatiri para um diálogo franco, aberto, entre os três, para verem como vão ser os próximos cinco anos".

Esse diálogo, disse, é necessário, porque os próximos cinco anos "vão ser difíceis" para a coligação de Governo "sobreviver enquanto coligação, e se [quiser] executar programas e garantir governabilidade, integridade, transparência e competência".

"Vão precisar do contributo da Fretilin. Se fosse eu, Xanana e Taur Matan Ruak, tendo ganho, façam o que os vencedores inteligentes fazem: dialoguem com quem perdeu, mas que ainda detém uma grande força no Parlamento. A Fretilin continua a ser o partido mais votado", disse Horta.

Referindo-se à AMP, em concreto, Ramos Horta disse que "é difícil governar com coligações desta natureza", e que seria útil dialogar com Alkatiri para "verem qual é a melhor forma de contribuírem para assegurar estabilidade governativa e garantir tranquilidade e segurança no país".

"Os três juntos, com a força que reúnem, podem depois fazer saneamento contra a corrupção, os abusos, os desperdícios. Porque o país não pode continuar assim, a gastar tanto dinheiro sem resultados concretos visíveis", afirmou.

Nesse cenário, Alkatiri poderia ter um papel, replicando, por exemplo, o modelo do enclave de Oecusse-Ambeno noutras zonas do país, o que exigirá "dedicação".

"Para ele estar livre e poder dedicar-se a tempo inteiro a esse ou outro papel, se for convidado a contribuir, não pode dirigir o partido e, ao mesmo tempo, tomar conta de grandes projetos como Oecusse ou outros", afirmou.

José Ramos Horta falava antes de partir para uma visita a título individual a vários países, que arranca em Myanmar e que o vai afastar cerca de dois meses de Timor-Leste.

Ramos Horta comentou ainda o seu próprio envolvimento no VII Governo - onde era ministro de Estado - e na campanha eleitoral, onde voltou a vestir, várias décadas depois, a camisola do partido que ajudou a fundar, a Fretilin.

O apoio ao partido e ao seu líder, Mari Alkatiri, traduziu uma "obrigação política, ditada pela consciência".

"Não me teria sentido bem comigo próprio se me tivesse mantido neutral nesse combate político", explicou o Nobel da Paz.

Apesar da curta vida do VII Governo, Ramos Horta disse ter sido "um privilégio observar a liderança de Mari Alkatiri", tendo o Governo, mesmo sem orçamento, conseguido pagar salários e outras despesas a horas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.