Ralph Brinkhaus é o rosto da nova derrota de Angela Merkel

Deputados do partido da chanceler elegeram para líder parlamentar outro candidato que não o proposto por ela

Angela Merkel sofreu esta terça-feira mais uma dura derrota ao ver os deputados do grupo parlamentar CDU/CSU escolherem para seu líder outro candidato que não aquele que fora proposto pela chanceler alemã. Merkel indicara Volker Kauder, que há 13 anos era o líder parlamentar dos democratas-cristãos no Bundestag, mas estes preferiram Ralph Brinkhaus. Este candidato conseguiu 125 votos a favor. E 112 contra.

"É uma derrota e não há como disfarçá-la", disse Merkel, numa declaração breve, em que agradeceu o trabalho de Kauder. O deputado, de 69 anos, sempre trabalhou para conseguir alinhar o grupo parlamentar com as posições da chanceler, em temas tão sensíveis e polémicos como o do resgate financeiro da Grécia, a crise financeira na Zona Euro ou a crise dos migrantes e refugiados.

Brinkhaus, de 50 anos, disse que se candidatou a líder do grupo da CDU/CSU "para lhe dar um novo impulso" e não é nada "contra a chanceler". Após ser eleito, o deputado declarou-se "imensamente feliz", garantiu ter "um grande respeito" por Merkel, disse estar pronto a trabalhar.

Enquanto Kauder sempre se recusou a ter encontros de qualquer espécie com políticos do partido de extrema-direita AfD, Brinkhaus já mostrou abertura para dialogar com aquele que, há um ano, foi o terceiro partido mais votado nas legislativas alemãs.

A sua escolha pelos deputados do grupo parlamentar CDU/CSU são mais um revés para Merkel. Esta enfrentou recentemente as ameaças do líder da CSU e ministro do Interior, Horst Seehofer, que ameaçou demitir-se se ela não alterasse a sua política migratória e não pressionasse a UE. Seehofer encontra-se ele próprio pressionado pela subida da AfD com vista às eleições de 14 de outubro no estado federado da Baviera.

Na semana passada, Merkel demitiu o chefe dos serviços secretos internos, Hans-Georg Maassen, por alegada ligação à extrema-direita e, em seguida, desautorizando-a, Seehofer nomeou-o para secretário de Estado no Ministério do Interior da Alemanha. O caso gerou profunda tensão na Grande Coligação, que além da CDU/CSU incluiu o SPD, atualmente liderado por Andrea Nahles.

"Este é o princípio do fim da era Merkel", declarou Heiner Bremer, analista política da N-TV, sobre a eleição de Brinkhaus à revelia de Merkel. A chanceler alemã, de 64 anos, encontra-se no seu quarto mandato.

Ler mais

Exclusivos