Rajoy recusa convite de investidura do rei. Sánchez sob pressão

Iglesias propõe ser vice em governo com o PSOE. Líder do PP mantém oferta de aliança com socialistas e Ciudadanos

O rei Felipe VI propôs ontem o nome de Mariano Rajoy como candidato a primeiro-ministro, mas o líder do Partido Popular (PP) recusou submeter-se ao debate de investidura numa altura em que não tem os votos suficientes para ser aprovado no Congresso. A negativa de Rajoy, que na véspera dizia sentir-se "com todas as forças" para o debate, foi a segunda surpresa do dia. Horas antes, o líder do Podemos, Pablo Iglesias, sugeriu apoiar um governo liderado pelo socialista Pedro Sánchez em troca (entre outras coisas) do cargo de vice-primeiro-ministro.

"Hoje não tenho os votos. Não faz sentido ir ao debate de investidura com o único objetivo de começar a correr o prazo de dois meses, que estabelece a Constituição", afirmou Rajoy. Depois dessa data e caso não haja acordo para eleger um primeiro-ministro, têm que ser convocadas novas eleições. "Mantenho a minha candidatura, mas agora não tenho os votos suficientes", acrescentou o líder do PP, dizendo que quer dar tempo ao diálogo mas acusando o PSOE de falar com toda a gente exceto com ele.

"Pedro Sánchez quer outra coisa diferente ao que eu proponho. Quer um pacto com Podemos, os catalães e a Esquerda Unida. Isso não convém a Espanha. Eu proponho um acordo entre PP, PSOE e Ciudadanos", disse Rajoy, lembrando que assim teria uma maioria absoluta de 253 deputados. O eventual executivo do PSOE, Podemos e Esquerda Unida teria só 161. "O governo de Sánchez não é moderado ou centrado", disse ainda Rajoy, lembrando que o PP tem o poder no Senado para travar qualquer iniciativa que venha desse executivo a três.

Depois de uma ronda de consultas aos partidos por parte do rei, o processo volta assim ao início. No comunicado em que confirmava a recusa de Rajoy, a Casa Real espanhola anunciava uma nova reunião com o presidente do Parlamento, o socialista Pátxi López, na segunda-feira à tarde, tendo em vista o início de uma nova ronda de consultas partidárias, a partir de quarta-feira. No final dessa segunda ronda, o monarca poderá voltar a convidar Rajoy ou outro qualquer líder político. Não existe qualquer prazo legal para este processo.

Reações

"É uma decisão muito irresponsável. É mais própria de um filme policial do que de um primeiro-ministro em funções. É um Rajoy esgotado e isolado. Está assim por sua vontade e pela ação do seu governo", reagiu o secretário-geral de Organização do PSOE, César Luena, em conferência de imprensa. "O PP e Rajoy estão a ser irresponsáveis. Pedro Sánchez, pelo contrário, será responsável", acrescentou.

O PP e Rajoy estão a ser irresponsáveis. Pedro Sánchez, pelo contrário, será responsável

O Podemos reagiu no Twitter: "Fizemos uma proposta de governo séria e Rajoy deu um passo atrás. A mudança é possível. Espero que o PSOE esteja à altura", escreveu Iglesias. A mesma rede social foi usada pelo líder do Ciudadanos, Albert River: "Rajoy renuncia à investidura. Sánchez deve decidir se procura acordos na centralidade e no constitucionalismo ou em partidos separatistas." A pressão está por isso no socialista, que parece ter perdido a iniciativa e estar dependente das propostas em cima da mesa.

A proposta de Iglesias

Antes da decisão de Rajoy, a primeira surpresa do dia foi a proposta que o líder do Podemos apresentou a Felipe VI - um governo presidido por Pedro Sánchez, com Iglesias como vice-primeiro-ministro e pelo menos uma pasta para a Esquerda Unida. Sánchez "não está em condições de propor um governo exclusivo do PSOE", defendeu, lembrando que ambos tiveram cinco milhões de votos - a diferença foi de cerca de 400 mil votos.

"Decidimos tomar a iniciativa e dar um passo em frente. Este momento não é para meias medidas. Ou se está pela mudança ou pelo imobilismo e o bloqueio", indicou Iglesias. Em relação à Catalunha, o referendo já não é incontornável - "claro que defendemos que a Catalunha tem que ter um referendo mas essa proposta tem que ser debatida com outras". A ideia é que o líder do En Comú Podem, Xavier Domènech, seu aliado catalão, seja responsável por encontrar uma solução, à frente do novo Ministério da Plurinacionalidade.

A proposta de Iglesias foi comunicada primeiro ao rei, tendo apanhado o próprio Sánchez de surpresa. "Entrei na Zarzuela sem um governo e pelos vistos todos os ministros já estavam nomeados", brincou, após o encontro com Felipe VI. O socialista insistiu que em qualquer negociação, primeiro falaria de políticas e só depois da formação do governo, admitindo contudo que ambos os partidos estão de acordo "no diagnóstico" do problema, mas não "nas políticas para o resolver".

Sánchez defendeu contudo que esta era a hora de Rajoy e que o primeiro-ministro, como líder do partido mais votado, tinha que se submeter ao debate de investidura. Depois, caso este falhasse, seria hora de ele próprio fazer um "governo de mudança e progressista". Nesse ponto admitiu que "os eleitores não entenderiam se eu e o líder do Podemos não nos entendêssemos". Qualquer acordo terá contudo que ser aprovado pelo comité federal do PSOE, que já se tinha mostrado reticente a pactos com o Podemos.

"Pactuar como o diabo é perigoso e nunca é grátis", escreveu o ex-primeiro-ministro socialista Felipe González no Twitter, lembrando que "o mais evidente não tem que ser o mais conveniente". Sobre as possíveis resistências dentro do partido, Sánchez lembrou: "O PSOE, de forma unânime, o que quer é que Rajoy se vá embora e se abra uma possibilidade de mudança."

O líder do Ciudadanos criticou Iglesias. "Uns preferem falar e negociar reformas e outros, a primeira coisa que pedem, são cadeiras de governo", escreveu Albert Rivera no Twitter e, mais tarde, numa entrevista à estação de televisão La Sexta, acrescentou: "A mim não me interessa o nome do ministro da Educação, interessa-me um pacto pela Educação."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.