Rajoy recusa à ETA contrapartidas pelo seu desarmamento

Organização terrorista forneceu ontem a localização de oito esconderijos com 120 armas e três toneladas de explosivos

A Euskadi Ta Askatasuna (ETA) concretizou ontem o seu desarmamento após mais de meio século de luta pela independência de Euskal Herria (Grande País Basco, que incluía o País Basco espanhol, Navarra e zonas de França). A organização terrorista identificou oito esconderijos, os chamados zulos, onde ainda tinha escondidos 120 armas de fogo, três toneladas de explosivos e vários milhares de munições e de detonadores. As reações a este desarmamento não foram, porém, uniformes.

Michel Tuniana, do Comité Internacional de Verificação, organização independente que não é reconhecida por Madrid e Paris, informou, em Baiona, França, que foram enviados 172 observadores aos depósitos da ETA para "comprovar que são as autoridades francesas que irão tomar posse". O ministro do Interior francês considerou que a entrega unilateral das armas é "um grande passo". Matthias Fekl, falando em Paris, em declarações à imprensa, disse: "Esta etapa de neutralização de um arsenal de armas e explosivos é um grande passo" e um "dia, sem dúvida, importante".

A reação do governo espanhol foi, porém, mais dura. "Os terroristas não podem esperar nenhum tratamento de favor do governo e muito menos impunidade pelos seus delitos", disse o Executivo de Mariano Rajoy, num comunicado à imprensa. O governo do PP acusou ainda a ETA de ter montado uma operação mediática para disfarçar a sua derrota. O Executivo assinala que a ETA "está operacionalmente derrotada, sem futuro e com os dirigentes na prisão" e que a sua "única resposta lógica a esta situação é anunciar a sua dissolução definitiva, pedir perdão às suas vítimas e desaparecer em vez de montar operações mediáticas para dissimular a sua derrota e tentar obter ganhos políticos". Madrid garante que vai continuar "a velar pelo cumprimento da lei e a segurança dos cidadãos", assim como pelo "respeito e homenagem" às vítimas do terrorismo, cujo testemunho foi "fundamental para a derrota do grupo terrorista".

Do lado da esquerda independentista basca, o secretário-geral do Sortu, Arnaldo Otegi, ex-dirigente do Batasuna que esteve preso por ligações à ETA, declarou-se bastante satisfeito com o desarmamento da organização. Mas considerou que é preciso "liberdade para os presos doentes, o fim da dispersão dos presos [haverá 360 em prisões de Espanha e França] e a desmilitarização do país [a saída da Polícia Nacional espanhola e da Guardia Civil do País Basco]". Também o deputado Julen Arzuaga, da coligação EH Bildu, insistiu nesses mesmo temas. "Parece que a ETA passou das palavras aos atos. É uma organização desarmada. Esta é uma situação nova que encerra um ciclo e dá a oportunidade para abrir um outro novo ciclo, no qual se passe das diferenças, legítimas, aos pontos em comum".

Do lado do governo basco, o lehendakari Iñigo Urkullu, do Partido Nacionalista Basco (PNV), considerou que ontem se deu "um passo fundamental" para a paz. "A confirmação do desarmamento legal, definitivo e sem contrapartidas é um passo fundamental no processo ordenado do fim da violência e desaparecimento da ETA", declarou o presidente do governo autónomo do País Basco. Quem também reagiu foi o ex-primeiro-ministro espanhol José Luis Rodríguez Zapatero, do PSOE, que tentou, sem sucesso, negociar com a ETA durante uma trégua. Este pediu a Rajoy que ouça Urkullu. "Foi fundamental ao longo dos anos. Eu confiaria na política de Urkullu".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.