Rajoy recusa à ETA contrapartidas pelo seu desarmamento

Organização terrorista forneceu ontem a localização de oito esconderijos com 120 armas e três toneladas de explosivos

A Euskadi Ta Askatasuna (ETA) concretizou ontem o seu desarmamento após mais de meio século de luta pela independência de Euskal Herria (Grande País Basco, que incluía o País Basco espanhol, Navarra e zonas de França). A organização terrorista identificou oito esconderijos, os chamados zulos, onde ainda tinha escondidos 120 armas de fogo, três toneladas de explosivos e vários milhares de munições e de detonadores. As reações a este desarmamento não foram, porém, uniformes.

Michel Tuniana, do Comité Internacional de Verificação, organização independente que não é reconhecida por Madrid e Paris, informou, em Baiona, França, que foram enviados 172 observadores aos depósitos da ETA para "comprovar que são as autoridades francesas que irão tomar posse". O ministro do Interior francês considerou que a entrega unilateral das armas é "um grande passo". Matthias Fekl, falando em Paris, em declarações à imprensa, disse: "Esta etapa de neutralização de um arsenal de armas e explosivos é um grande passo" e um "dia, sem dúvida, importante".

A reação do governo espanhol foi, porém, mais dura. "Os terroristas não podem esperar nenhum tratamento de favor do governo e muito menos impunidade pelos seus delitos", disse o Executivo de Mariano Rajoy, num comunicado à imprensa. O governo do PP acusou ainda a ETA de ter montado uma operação mediática para disfarçar a sua derrota. O Executivo assinala que a ETA "está operacionalmente derrotada, sem futuro e com os dirigentes na prisão" e que a sua "única resposta lógica a esta situação é anunciar a sua dissolução definitiva, pedir perdão às suas vítimas e desaparecer em vez de montar operações mediáticas para dissimular a sua derrota e tentar obter ganhos políticos". Madrid garante que vai continuar "a velar pelo cumprimento da lei e a segurança dos cidadãos", assim como pelo "respeito e homenagem" às vítimas do terrorismo, cujo testemunho foi "fundamental para a derrota do grupo terrorista".

Do lado da esquerda independentista basca, o secretário-geral do Sortu, Arnaldo Otegi, ex-dirigente do Batasuna que esteve preso por ligações à ETA, declarou-se bastante satisfeito com o desarmamento da organização. Mas considerou que é preciso "liberdade para os presos doentes, o fim da dispersão dos presos [haverá 360 em prisões de Espanha e França] e a desmilitarização do país [a saída da Polícia Nacional espanhola e da Guardia Civil do País Basco]". Também o deputado Julen Arzuaga, da coligação EH Bildu, insistiu nesses mesmo temas. "Parece que a ETA passou das palavras aos atos. É uma organização desarmada. Esta é uma situação nova que encerra um ciclo e dá a oportunidade para abrir um outro novo ciclo, no qual se passe das diferenças, legítimas, aos pontos em comum".

Do lado do governo basco, o lehendakari Iñigo Urkullu, do Partido Nacionalista Basco (PNV), considerou que ontem se deu "um passo fundamental" para a paz. "A confirmação do desarmamento legal, definitivo e sem contrapartidas é um passo fundamental no processo ordenado do fim da violência e desaparecimento da ETA", declarou o presidente do governo autónomo do País Basco. Quem também reagiu foi o ex-primeiro-ministro espanhol José Luis Rodríguez Zapatero, do PSOE, que tentou, sem sucesso, negociar com a ETA durante uma trégua. Este pediu a Rajoy que ouça Urkullu. "Foi fundamental ao longo dos anos. Eu confiaria na política de Urkullu".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.