Rajoy falta a início de debate de moção de censura que o deverá derrubar

Voto anunciado dos cinco deputados do Partido Nacionalista Basco deverá, assim, dar a Pedro Sánchez a maioria absoluta de mais de 176 lugares necessários para afastar Mariano Rajoy e automaticamente ocupar o seu lugar à frente do executivo espanhol

O ainda chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, faltou esta sexta-feira de manhã ao início do debate sobre a moção de censura contra o seu Governo que deverá ser aprovada pela maioria absoluta de deputados do parlamento espanhol.

O líder do PSOE, Pedro Sánchez, que apresentou a moção de censura apesar de apenas ter 84 dos 350 membros da assembleia, deverá ser eleito como novo chefe de Governo, tomando posse nos próximos dias.

Os discursos que estão a ser feitos no início desta sessão confirmam que todos já dão como único cenário que o PP (Partido Popular, direita) vai ser afastado.

O candidato a primeiro-ministro, Pedro Sánchez, agradeceu o apoio dos deputados à sua investidura e disse que a assembleia vai escrever esta sexta-feira "uma nova página na democracia do país".

A líder da bancada socialista, Margarita Robles, assegurou, por seu lado, que o PSOE irá colocar o interesse dos espanhóis à frente dos do seu partido.

O voto anunciado na quinta-feira dos cinco deputados do Partido Nacionalista Basco (PNV) deverá, assim, dar ao secretário-geral do PSOE a maioria absoluta de mais de 176 lugares necessários para afastar Mariano Rajoy e automaticamente ocupar o seu lugar à frente do executivo espanhol.

Os socialistas espanhóis deverão conseguir reunir o voto de 180 deputados, que incluem o Unidos Podemos (extrema-esquerda), os nacionalistas bascos e os independentistas catalães.

A provável queda do executivo de Mariano Rajoy, que esteve seis anos à frente dos destinos de Espanha, é provocada depois de vários ex-membros do PP terem sido condenados na semana passada a penas de prisão por terem participado num esquema de corrupção que também beneficiou esse partido.

O Cidadãos (direita liberal) retirou o apoio que até agora dava ao PP, mas recusa votar a moção de censura ao lado do PSOE, insistindo na antecipação das eleições.

Rajoy recusou até agora apresentar a sua demissão antes da votação da moção de censura, a única forma de se manter no poder o tempo necessário para organizar eleições antecipadas e impedir a chegada ao poder dos socialistas.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.