Rajoy assegura que crimes da ETA não vão ficar impunes

Organização terrorista espanhola matou mais de 800 pessoas ao longo de 50 anos

O anúncio do fim da organização separatista basca ETA não vai traduzir-se numa impunidade para os crimes que cometeu, advertiu hoje Mariano Rajoy.

"Faça o que fizer e diga o que disser, a ETA não vai encontrar nenhuma lacuna nem nenhuma impunidade dos seus crimes", disse Rajoy num discurso em Logroño, no norte de Espanha, um dia depois de a ETA ter anunciado o fim do seu "ciclo histórico" e a dissolução das suas estruturas.

"Não lhe devemos nada e não lhe reconhecemos nada", acrescentou.

O chefe do Governo espanhol qualificou a carta, e outras iniciativas como vídeos e comunicados da organização, de "ruído e propaganda" e frisou que a política antiterrorista não vai mudar.

"A única política futura em matéria antiterrorista, como sempre, é aplicar a lei", disse, reiterando a manutenção de medidas aplicadas à ETA como a dispersão dos presos.

Na carta em que anuncia o seu fim, publicada na quarta-feira no diário online eldiario.es, a organização transmite a sua decisão de "dar por terminado o seu ciclo histórico e a sua função".

A "ETA dissolveu completamente todas as suas estruturas e terminou a sua iniciativa política", refere a carta datada de 16 de abril.

A ETA (Euskadi ta Askatasuna ou Pátria Basca e Liberdade) matou mais de 800 pessoas durante a sua campanha de cinco décadas para criar um Estado basco independente no norte de Espanha e no sul de França.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.