Raide israelita atinge "posição militar" na Síria

O Estado sírio anunciou este domingo que um raide israelita provocou danos materiais numa "posição militar". A armada israelita não comenta

"Uma das nossas posições militares em Massyaf sofreu uma agressão aérea israelita", indicou a agência de notícias oficial síria, Sana, citando uma fonte militar que apontou "apenas danos materiais". O regime de Bachar al-Assad, acrescenta que foi no oeste da Síria.

Um porta-voz da armada israelita recusou-se a comentar o raide, já que o Estado hebraico raramente confirma incursões militares na Síria.

"O local visado é supervisionado pelos iranianos e ali são fabricados mísseis de pequeno porte", anunciou, por seu turno, o Observatório Sírio dos Direitos do Homem (OSDH), uma Organização Não Governamental (ONG) que dispõe de uma vasta rede de fontes na Síria.

O diretor da OSDH, Rami Abdel Rahmane, precisou à agência noticiosa France Presse que "as forças iranianas e do movimento libanês do Hezbollah estão estacionadas neste setor.

O Irão e o Hezbollah libanês, dois inimigos de Israel, são os principais aliados do regime sírio, ao lado da Rússia.

Nestes últimos meses, Israel intensificou os seus ataques contra as posições militares do regime e também contra as forças iranianas presentes na Síria.

Na região de Massyaf também está instalado um Centro de Pesquisa e de Estudos Científicos da Síria (SSRC), atingido em setembro de 2017 por um raide do exército israelita.

Os Estados Unidos têm acusado este organismo de dar apoio no desenvolvimento de gás tóxico sarin e de estar encarregue do fabrico de armas químicas, mas o regime sírio tem negado estar a recorrer a tal tipo de armamento.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.