Quer ler o mesmo que Obama? Ex-presidente divulgou o que vai ler este verão

Da lista do ex-presidente dos EUA fazem parte títulos como 'Educated', de Tata Westover, e 'Factfulness', de Hans Rosling

O ex-presidente dos EUA é também um criador de tendências. Talvez por isso, e com esperança de encorajar alguns seguidores a serem leitores mais assíduos, Barack Obama divulgou no Facebook a lista de livros que o vão acompanhar neste verão.

As cinco escolhas vão ser a sua companhia para "quando as coisas desaceleram um pouco, seja nas férias com a família ou apenas numa tarde tranquila".

Na mesma publicação, Obama diz que se deixou absorver por novos romances, revisitou um clássico antigo e reafirmou a fé na capacidade de avançar quando se procura a verdade.

Aqui fica a lista:

'Educated' de Tata Westover. "Um notável livro de memórias de uma jovem mulher criada numa família de sobreviventes em Idaho, que se esforça para estudar enquanto ainda demonstra uma grande compreensão e amor pelo mundo que deixa para trás", escreveu Barack Obama.

'Warlight' de Michael Ondaatje. Segundo o ex-presidente dos EUA, é "uma meditação sobre os efeitos prolongados da guerra na família".

'Uma Casa para Mr. Biswas' de V.S. Naipaul. Lembrando a recente morte do autor, Obama diz que se trata do "primeiro grande romance do Prémio Nobel sobre crescer em Trindade e o desafio da identidade pós-colonial". Em Portugal há pelo menos duas edições, da Dom Quixote e da Quetzal.

'An American Marriage' de Tayari Jones. É, segundo Obama, "um retrato comovente dos efeitos de uma condenação injusta num jovem casal afro-americano".

'Factfulness' de Hans Rosling. De "um notável especialista internacional em saúde pública", é um livro promissor "sobre o potencial para o progresso humano quando trabalhamos com factos e não com os nossos preconceitos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.