Quem são os 12 independentistas catalães no banco dos réus?

12 dirigentes independentistas catalães acusados de estar envolvidos na tentativa de secessão da Catalunha em outubro de 2017 começaram a ser julgados nesta segunda-feira, em Madrid, num megaprocesso que será transmitido em direto pela televisão.

12 dirigentes independentistas catalães acusados de estar envolvidos na tentativa de secessão da Catalunha em outubro de 2017 começaram a ser julgados nesta segunda-feira, em Madrid, num megaprocesso que será transmitido em direto pela televisão.

O julgamento, que deverá demorar três meses, com a sentença a ser conhecida antes das férias de verão, vai ser seguido por mais de 600 jornalistas e 150 meios de comunicação social espanhóis e estrangeiros.

Quem são estes 12 dirigentes que se sentam no banco dos réus?

Oriol Junqueras
Ex-vice-presidente da Catalunha

É talvez o nome mais sonante atrás das grades. Oriol Junqueras, de 49 anos, foi vice-presidente da Generalitat e mantém-se ainda até hoje como o presidente do partido Esquerda Republicana da Catalunha.

O seu percurso político começou em 2009, como eurodeputado, tendo sido eleito, dois anos depois, líder da ERC. Conseguiu unir o partido depois duma queda eleitoral e, entre 2011 e 2015, foi presidente da Câmara de Sant Vicenç dels Horts.

No governo autónomo catalão, no qual esteve entre janeiro de 2016 e outubro de 2017, tentou criar as Finanças da Catalunhal. Está preso por rebelião, sedição e peculato na organização do referendo de 1 de outubro de 2017 e consequente declaração unilateral de independência de uma República da Catalunha. Enfrenta pena de até 25 anos.

Raül Romeva
Ex-conselheiro para as Relações Externas da Catalunha

Ex-conselheiro catalão de Assuntos Exteriores, Relações Institucionais e Transparência, Romeva, de 47 anos, militou na Iniciativa per Catalunya Verds (ICV) desde 1989 até 2015. Nesse ano liderou como independentista a lista de Junts pel Sí (CDC e ERC) para as eleições autonómicas de 27 de setembro de 2015.

Eurodeputado, entre 2004 e 2014, quando chegou ao governo da Catalunha apoiou a internacionalização da causa independentista catalã e o lançamento das chamadas "embaixadas catalãs". Colaborou para a Unesco como consultor e trabalhou com eles na Bósnia-Herzegovina. Foi, além disso, observador eleitoral da OSCE.

Romeva é considerado por alguns como um dos novos heróis da causa independentista. Encontra-se igualmente em prisão preventiva por rebelião, sedição e peculato. Enfrenta pena de até 16 anos.

Jordi Turull
Ex-porta-voz do governo da Catalunha

Deputado no Parlamento catalão desde 2006, Turull, de 52 anos, foi militante da Convergência Democrática da Catalunha (CDC) e agora do Partido Democrata Europeu Catalão (PDeCAT).

Foi presidente do grupo parlamentar da Junts pel Si durante grande parte da legislatura, até assumir o cargo de porta-voz do governo autónomo catalão e de conselheiro da presidência. Foi proposto candidato à presidência da Generalitat depois das tentativas falhadas para indigitar Carles Puigdemont e Jordi Sánchez.

Turull encontra-se também em prisão preventiva acusado de rebelião, sedição e peculato. Enfrenta até 16 anos de cadeia.

Josep Rull i Andreu
Ex-conselheiro do Território e Sustentabilidade da Catalunha

Advogado e político, militante de CDC desde 1989 e agora do PDeCAT, Rull i Andreu, de 49 anos, foi nomeado conselheiro do Território e Sustentabilidade por Carles Puigdemont, então presidente da Generalitat, em 2016.

É um dos maiores independentistas dentro do partido e continuou a ir para o seu escritório depois da aplicação do artigo 155.º da Constituição espanhola, ou seja, da suspensão dos poderes autonómicos da Catalunha em consequência da organização do referendo ilegal sobre a independência a 1 de outubro de 2017..

Rull e Andreu está acusado dos crimes de rebelião, sedição e peculato. Enfrenta pena de até 16 anos.

Joaquim Forn
Ex-conselheiro do Interior da Catalunha

Licenciado em Direito, Forn, de 54 anos, desenvolveu grande parte do seu percurso político na câmara de Barcelona, onde foi número dois da equipa do ex-autarca Xavier Trias.

Em julho de 2017 foi nomeado conselheiro do Interior para substituir a Jordi Jané na Catalunha. Eleito deputado nas últimas eleições autonómicas, renunciou ao seu lugar no parlamento para, eventualmente, facilitar uma possível saída da prisão.

Continua, porém, em prisão preventiva, acusado de rebelião, sedição e peculato. Enfrenta pena de até 16 anos.

Dolors Bassa i Coll
Ex-conselheira do Trabalho, Assuntos Sociais e Família da Catalunha

Professora, sindicalista e psicopedagoga, Bassa i Coll, de 59 anos, foi vereador em Torroella de Montgrí pela ERC. Secretária- geral da UGT na zona de Girona até entrar na lista da Junts pel Sí, pela qual foi eleita deputada, acabou por ser nomeada conselheira do Trabalho, Assuntos Sociais e Família.

Entre os seus desafios esteve travar o aumento das desigualdades e pôr a funcionar o princípio do rendimento mínimo garantido.

Está em prisão preventiva por rebelião, sedição e peculato. Enfrenta pena de até 16 anos.

Carmen Forcadell
Ex-presidente do Parlamento catalão

Política, filóloga, professora e ativista. Forcadell, de 63 anos, trabalhou como assessora de língua e coesão social (LIC) no Departamento de Educação da Generalitat da Catalunha entre 1985 e 2015. É autora de livros sobre pedagogia, língua e literatura e de um dicionário. Colaborou em vários media com publicações sobre planificação linguística, língua e identidade.

Militante do partido ERC, pelo qual foi vereadora em Sabadell, foi eleita, em 2012, presidente da ANC e foi uma das vozes da organização na manifestação "Catalunha, novo Estado da Europa".

Em outubro de 2015, foi eleita presidente do Parlamento da Catalunha e, nessa condição, dois anos depois validou a declaração de independência unilateral catalã. Está em prisão preventiva por rebelião e sedição. Enfrenta pena de 17 anos.

Jordi Sànchez
Presidente da Assembleia Nacional Catalã

Licenciado em Ciências Políticas, Sànchez, de 54 anos, foi membro da Crida per la Solidaritat, uma associação muito ativia nos anos 1980 e com boas relações com os bascos do Herri Batasuna.

Foi conselheiro da Corporação Catalã de Rádio e Televisão e diretor adjunto da fundação Jaume Bofill, a qual chegou a dirigir durante nove anos. Colaborou periodicamente com vários meios de comunicação.

Em 2015 substitui Carme Forcadell na presidência da Assembleia Nacional Catalã e tem sido um dos motores do projeto independentista. Está em prisão preventiva acusado de rebelião e sedição. Enfrenta pena de até 17 anos.

Jordi Cuixart
Líder da Òmnium Cultural

Cuixart, de 42 anos, é o atual líder de Òmnium Cultural, onde entrou em 1996 e ocupou diferentes cargos: tesoureiro, vice-presidente e, desde 2015, presidente, em substituição de Quim Torra.

Como empresário, fundou a Aranow Packaging Machinery, da qual é diretor geral, sendo também membro do Centro Metalúrgico de Catalunha e fundador da fundação privada de empresários FemCAT.

Está em prisão preventiva por rebelião e sedição. Em entrevista por email ao DN, publicada a 16 de outubro, disse que este ano de cadeia ainda reforçou mais as suas convicções: "Acima de tudo ganhei consciência sobre mim mesmo e a força das nossas decisões e das nossas ações. As minhas convicções democráticas ficaram fortalecidas. O despropósito da repressão contra os cidadãos levou-me a estar mais preparado hoje do que há um ano para defender, até às últimas consequências, as minhas profundas convicções democráticas e pacifistas. Eu devo isso a um ano na cadeia". Enfrenta pena de até 17 anos.

Santi Vila
Ex-conselheiro das Empresas e Conhecimento da Catalunha

Historiador e político, militante do PDeCAT, o percurso político de Santi Vila, de 45 anos, começou com ERC. Passou depois para o CDC e foi presidente da câmara de Figueres pela Convergência e União (CiU).

Em 2012 Artus Mas nomeou-o conselheiro do Território e Sustentabilidade da Generalitat e em 2016, com Puigdemont, mudou-se primeiro para a pasta da Cultura e, posteriormente, para a das Empresas e Conhecimento.

Antes da declaração unilateral da República da Catalunha renunciou ao seu cargo. Acusado por desobediência e peculato, Santi Vila pagou um depósito de 50 mil euros que lhe permitiu passar apenas uma noite na prisão. Acusado de peculato e desobediência, enfrenta pena de até sete anos.

Meritxell Borràs i Solé
Ex-conselheira da Governação, Administração Pública e Habitação

Filha de Jacint Borràs, um dos fundadores da CDC, milita no partido desde muito nova e já teve vários cargos nele.

Foi vereadora na câmara Municipal de Hospitalet e deputada na Diputación Provincial de Barcelona. No tempo em que o presidente da Generalitat era Artur Mas foi nomeada conselheira da Governação, Administração Pública e Habitação, mantendo-se no mesmo cargo depois já com Carles Puigdemont.

Foi a primeira conselheira a ser acusada pela procuradoria pela compra de urnas para o referendo de 1 de outubro. Borràs acompanhou o então presidente Puigdemont até Bruxelas, na Bélgica, país onde se encontrada refugiado até hoje.

Meritxell Borràs i Solé está acusada dos crimes de desobediência e peculato e enfrenta uma pena se até sete anos.

Carles Mundó
Ex-conselheiro de Justiça da Catalunha

Advogado, 42 anos, Carles Mundó começou a sua carreira política com a ERC. Foi vereador em Gurb durante 16 anos. Em 2016 foi nomeado responsável máximo do departamento de Justiça de Carles Puigdemont.

Antes disso foi chefe do departamento de Educaão catalão e do departamento de Cultura e Meios de Comunicação. Também foi secretário de Meios de Comunicação da Generalitat e presidente da Agência Catalã de Notícias (ACN).

É um dos homens de confiança de Oriol Junqueras. O seu mandato esteve marcado pelas tensas relações com a Justiça por causa dos procedimentos abertos contra líderes independentistas. Está acusado de desobediência e peculato e enfrenta uma pena de até sete anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.