Quem apanhou o manifestante foi... o embaixador

Ex-sargento-de-armas do Parlamento canadiano - o homem que, em 2014, abateu o terrorista que cometeu um atentado naquela instituição - voltou ao "ativo" durante alguns minutos durante cerimónia oficial

O sargento-de-armas Kevin Vickers foi pela primeira vez notícia em outubro de 2014, quando neutralizou um terrorista, Michael Zehaf-Bibeau, que entrou armado no Parlamento canadiano após ter assassinado um guarda. O ato valeu a Vickers uma ovação de pé nesta câmara e, mais tarde, a nomeação como embaixador do Canadá na Irlanda.

Esta quinta-feira, Kevin Vickers voltou a ser notícia, e mais uma vez por não hesitar no momento em que é preciso intervir.

No ano em que se celebra o centenário da Revolta da Páscoa de 1916, a República da Irlanda tem realizado várias cerimónias de homenagem aos seus soldados mortos nessa insurreição contra o domínio britânico. Mas esta quinta-feira, no cemitério militar Grangegorman, os irlandeses quiseram também lembrar os mortos do outro lado das barricadas.

Uma cerimónia rara que foi realizada com todas as honras, mas que não agradou a todos. Um homem levantou-se, gritou "Isto é um insulto" e invadiu a zona onde decorria o ato oficial.

Intervém Kevin Vickers, convidado enquanto embaixador mas que de um momento para o outro se transformou em oficial de segurança. O momento foi captado em vídeo:

O manifestante acabou por ser imobilizado pelo embaixador e depois detido pelas autoridades. Segundo o jornal Irish News, após o incidente, a cerimónia prosseguiu.

Na assistência estavam ainda personalidades como o ministro dos Negócios Estrangeiros, Charlie Flanagan, a ministra do Desenvolvimento Regional, Heather Humphreys e o embaixador britânico no país, Dominick Chilcott.

Mas nenhum teve a iniciativa do canadiano, já saudado com orgulho pelos seus compatriotas nas redes sociais:

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.