Turistas norte-americanas atacadas com ácido em Marselha

Agressora, uma mulher de 41 anos com problemas mentais, foi detida no local

Um grupo de quatro jovens turistas norte-americanas foi atacado com ácido na principal estação de comboios de Marselha, avançou a agência Associated Press (AP), citando fonte da Procuradoria local.

Uma mulher de 41 anos foi detida, informa ainda a AP.

Duas das turistas ficaram com queimaduras no rosto e uma delas terá mesmo sofrido uma lesão no olho, revelou uma porta-voz da Procuradoria. As quatro jovens, na casa dos 20, foram hospitalizadas, duas por se encontrarem em estado de choque e sem ferimentos provocados pelo ácido. Todas tiveram alta na tarde deste domingo.

Segundo a agência Reuters, que cita fonte policial, as jovens estavam na estação de Saint Charles para apanharem o comboio para Paris pelas 9:00 locais, menos uma hora em Lisboa.

A agressora foi detida no local e os detetives descartam, para já, motivação terrorista. De acordo com a Reuters, a polícia acredita que a mulher de 41 anos sofra de distúrbios mentais.

Já era conhecida das autoridades por furto e, segundo a AFP, justificou o ataque pelo facto de ter sido, ela própria, vítima de um ataque semelhante quando era mais jovem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.