Turistas norte-americanas atacadas com ácido em Marselha

Agressora, uma mulher de 41 anos com problemas mentais, foi detida no local

Um grupo de quatro jovens turistas norte-americanas foi atacado com ácido na principal estação de comboios de Marselha, avançou a agência Associated Press (AP), citando fonte da Procuradoria local.

Uma mulher de 41 anos foi detida, informa ainda a AP.

Duas das turistas ficaram com queimaduras no rosto e uma delas terá mesmo sofrido uma lesão no olho, revelou uma porta-voz da Procuradoria. As quatro jovens, na casa dos 20, foram hospitalizadas, duas por se encontrarem em estado de choque e sem ferimentos provocados pelo ácido. Todas tiveram alta na tarde deste domingo.

Segundo a agência Reuters, que cita fonte policial, as jovens estavam na estação de Saint Charles para apanharem o comboio para Paris pelas 9:00 locais, menos uma hora em Lisboa.

A agressora foi detida no local e os detetives descartam, para já, motivação terrorista. De acordo com a Reuters, a polícia acredita que a mulher de 41 anos sofra de distúrbios mentais.

Já era conhecida das autoridades por furto e, segundo a AFP, justificou o ataque pelo facto de ter sido, ela própria, vítima de um ataque semelhante quando era mais jovem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.