Quatro presumíveis combatentes do Estado Islâmico presos na Dinamarca

Num dos apartamentos foram descobertos armas e munições

A polícia dinamarquesa anunciou hoje a detenção na região de Copenhaga de quatro pessoas suspeitas de se terem juntado aos 'jihadistas' do grupo extremista Estado Islâmico (EI) na Síria, numa operação onde foram apreendidas armas e munições.

Os quatro suspeitos, cuja identidade não foi revelada, foram identificados e localizados no âmbito de investigações conjuntas da polícia de Copenhaga e dos serviços internos de segurança e informações (PET).

"Numa das moradas que hoje foram revistadas, descobrimos armas e munições", precisou o inspetor Poul Kjeldsen em conferência de imprensa. Um suspeito que residia nesta morada estava conotado com um grupo criminal da capital que está identificado, precisou a polícia na rede social Twitter.

"As prisões foram possíveis devido aos nossos esforços para neutralizar os indivíduos que são recrutados pelos grupos terroristas nas zonas de conflito na Síria e no norte do Iraque", segundo a polícia.

Os suspeitos, que devem comparecer em tribunal na sexta-feira, arriscam até seis anos de prisão.

A rádio pública dinamarquesa DR afirmou que um dos apartamentos alvo de buscas está relacionado com um homem que surge nos documentos do EI revelados em março pela imprensa britânica e alemã, e que incluem nomes, moradas e números de telefone de candidatos a integrar os efetivos combatentes do EI e de outros grupos radicais.

A cadeia televisiva Sky News afirmou ter entregado às autoridades britânicas esses dossiês, que contêm 22.000 nomes.

O ministro da Justiça dinamarquês, Soren Pind, manifestou "satisfação" pela ação policial de hoje e comprometeu-se a intensificar o combate ao 'jihadismo' e o recrutamento de combatentes no território do país.

As autoridades calculam que 125 pessoas partiram da Dinamarca em direção à Síria e Iraque para combater ao lado do EI e de outros grupos radicais, e indicam que 62 deles já regressaram.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...