Quatro presumíveis combatentes do Estado Islâmico presos na Dinamarca

Num dos apartamentos foram descobertos armas e munições

A polícia dinamarquesa anunciou hoje a detenção na região de Copenhaga de quatro pessoas suspeitas de se terem juntado aos 'jihadistas' do grupo extremista Estado Islâmico (EI) na Síria, numa operação onde foram apreendidas armas e munições.

Os quatro suspeitos, cuja identidade não foi revelada, foram identificados e localizados no âmbito de investigações conjuntas da polícia de Copenhaga e dos serviços internos de segurança e informações (PET).

"Numa das moradas que hoje foram revistadas, descobrimos armas e munições", precisou o inspetor Poul Kjeldsen em conferência de imprensa. Um suspeito que residia nesta morada estava conotado com um grupo criminal da capital que está identificado, precisou a polícia na rede social Twitter.

"As prisões foram possíveis devido aos nossos esforços para neutralizar os indivíduos que são recrutados pelos grupos terroristas nas zonas de conflito na Síria e no norte do Iraque", segundo a polícia.

Os suspeitos, que devem comparecer em tribunal na sexta-feira, arriscam até seis anos de prisão.

A rádio pública dinamarquesa DR afirmou que um dos apartamentos alvo de buscas está relacionado com um homem que surge nos documentos do EI revelados em março pela imprensa britânica e alemã, e que incluem nomes, moradas e números de telefone de candidatos a integrar os efetivos combatentes do EI e de outros grupos radicais.

A cadeia televisiva Sky News afirmou ter entregado às autoridades britânicas esses dossiês, que contêm 22.000 nomes.

O ministro da Justiça dinamarquês, Soren Pind, manifestou "satisfação" pela ação policial de hoje e comprometeu-se a intensificar o combate ao 'jihadismo' e o recrutamento de combatentes no território do país.

As autoridades calculam que 125 pessoas partiram da Dinamarca em direção à Síria e Iraque para combater ao lado do EI e de outros grupos radicais, e indicam que 62 deles já regressaram.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.