Quase dois terços dos franceses não confiam em Macron

Só 32% dos inquiridos pelo barómetro do 'Le Figaro' confiam no presidente, menos seis pontos percentuais do que há um mês.

O número de franceses que dizem confiar no presidente francês para resolver os problemas do país caiu seis pontos percentuais num só mês, chegando aos 32% no último barómetro da revista do jornal Le Figaro. Já o nível dos que não confiam em Emmanuel Macron subiu sete pontos, para os 64%.

O nível de confiança é o valor mais baixo desde que Macron chegou à presidência, há 14 meses, ainda assim cinco pontos percentuais a mais do que o seu predecessor, François Hollande (na mesma altura do mandato tinha 27% de aprovação, o mais baixo alguma vez registado por um presidente nesse espaço de tempo).

O nível de confiança no presidente só ficou acima do nível de desconfiança até novembro de 2017. O mesmo percurso tem sido feito pelo primeiro-ministro, Édouard Philippe, que só recolhe confiança de 32% dos inquiridos (menos seis pontos que no mês anterior), enquanto o nível de desconfiança é de 61%.

No barómetro, e diante da questão "entre estas personalidades qual gostaria de ver a desempenhar um papel importante nos próximos meses ou anos", só duas pessoas estão em alta. O ex-presidente François Hollande, que subiu dois pontos, e a sua ex-companheira e antiga ministra Ségolène Royal (subiu um ponto). Os mais citados são contudo o ministro de Estado e da Transição Ecológica e Solidária, Nicolas Hulot, o líder da França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon, e o ex-primeiro-ministro Alain Juppé.

O barómetro para a Figaro Magazine, realizado pela KANTAR Sofres-onepoint, foi feito entre 28 de junho e 2 de julho. Foram entrevistadas, pessoalmente, 923 pessoas representativas da população francesa.

Exclusivos