Quase 200 democratas processam Trump por receber pagamentos do estrangeiro

Quase 200 senadores e representantes democratas norte-americanos moveram uma ação judicial contra Donald Trump, alegando que o Presidente violou a chamada 'cláusula dos emolumentos' da Constituição ao receber dinheiro do estrangeiro devido aos seus negócios.

A ação judicial vai dar hoje entrada no tribunal, segundo os deputados, que argumentam ter legitimidade para processar o Presidente já que a cláusula indica que apenas o Congresso pode aprovar pagamentos e presentes do estrangeiro.

Apesar de Trump ter cedido controlo da sua empresa aos seus filhos, Donald Jr. e Eric, não se afastou totalmente, o que significa que pode beneficiar financeiramente dos lucros da Organização Trump, incluindo os gerados por governos estrangeiros.

Desde que Trump se tornou Presidente, as suas empresas asseguraram dezenas de patentes potencialmente valiosas, incluindo na China, e receberam taxas de 'lobistas' que trabalham para a Arábia Saudita e outros países e usam as suas propriedades.

A ação judicial, a terceira deste tipo, indica que a verdadeira dimensão dos pagamentos feitos à Organização Trump não pode ser conhecida porque o Presidente não tornou pública a sua declaração de impostos.

No início da semana, dois procuradores-gerais apresentaram uma ação semelhante.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".