Quase 200 democratas processam Trump por receber pagamentos do estrangeiro

Quase 200 senadores e representantes democratas norte-americanos moveram uma ação judicial contra Donald Trump, alegando que o Presidente violou a chamada 'cláusula dos emolumentos' da Constituição ao receber dinheiro do estrangeiro devido aos seus negócios.

A ação judicial vai dar hoje entrada no tribunal, segundo os deputados, que argumentam ter legitimidade para processar o Presidente já que a cláusula indica que apenas o Congresso pode aprovar pagamentos e presentes do estrangeiro.

Apesar de Trump ter cedido controlo da sua empresa aos seus filhos, Donald Jr. e Eric, não se afastou totalmente, o que significa que pode beneficiar financeiramente dos lucros da Organização Trump, incluindo os gerados por governos estrangeiros.

Desde que Trump se tornou Presidente, as suas empresas asseguraram dezenas de patentes potencialmente valiosas, incluindo na China, e receberam taxas de 'lobistas' que trabalham para a Arábia Saudita e outros países e usam as suas propriedades.

A ação judicial, a terceira deste tipo, indica que a verdadeira dimensão dos pagamentos feitos à Organização Trump não pode ser conhecida porque o Presidente não tornou pública a sua declaração de impostos.

No início da semana, dois procuradores-gerais apresentaram uma ação semelhante.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.