Quando um meme vale pena de prisão na Rússia

Alguns jovens russos estão sob investigação policial por partilharem imagens satíricas nas redes sociais

Na sequência da prisão de uma mulher por partilha de memes nas redes sociais, na Rússia têm sido debatidas questões ligadas ao abuso de lei e censura. Maria Motuznaya, de 23 anos, chamou a atenção do público em meados de julho, quando explicou no Twitter o que motivou a sua entrada na lista oficial de extremistas e terroristas do país.

"Olá pessoal. O meu nome é Masha, tenho 23 anos e sou uma extremista", escreveu a jovem de 23 anos na rede social.

Numa sequência de 20 'tweets', Maria explicou de que forma a polícia a acusou, em maio passado, de "insultar as pessoas", ao postar memes satíricos na sua página do VKontakte, uma rede social russa equivalente ao Facebook.

Um dos memes ofensivos mostrava mulheres vestidas de freiras a fumar cigarros e a pedirem umas às outras para serem rápidas "enquanto Deus não está a olhar", ao passo que outro retratava crianças africanas com pratos vazios nas mãos, acompanhadas da legenda "humor negro é como comida - nem toda a gente o tem". "Não havia genocídio nem nada - apenas imagens engraçadas", explicou Maria.

Após uma primeira audiência, o caso foi retomado no passado dia 28 de agosto. Maria enfrenta agora uma pena que pode ir até seis anos de prisão por incentivar ao discurso de ódio e ofender crenças religiosas. "Existiram vários memes, alguns com imagens de caráter religioso, que são sobre a Igreja Ortodoxa russa em particular", disse à BBC.

Quando foi levada para interrogatório, e por não ter antecedentes criminais, a polícia disse-lhe que iria prestar "serviço comunitário" se assinasse uma confissão completa. "Eu assinei tudo, acreditando na nossa polícia. Eu não queria acreditar que tudo o que estava a acontecer era real. Parece que de um momento para o outro estava a ser avisada que eu fui alvo de troça, que era tudo uma piada", explicou.

Maria pensou que estavam a brincar com ela quando lhe tinham dito que estava sob investigação policial. "Para ser honesta, à primeira vista, quando me apresentaram um mandato de captura, eu comecei a rir-me e perguntei 'estão a falar a sério?'. Pensei que fosse alguma piada, que eram os meus amigos a pregarem-me uma partida", ​​contou a jovem.

A taxa de absolvição de crimes na Rússia ronda os 0,2%. Maria não acredita que tenha esse destino, mas caso se confirme planeia deixar o país. "Vou tentar sair daqui, uma vez que aqui não há forma de eu ter uma vida normal", disse.

"Comecei a ter medo de dormir com receio de me prenderem"

Mas o caso de Maria não é único. Em Barnaul, na Sibéria, onde a jovem residia, pelo menos mais duas pessoas estão a enfrentar penas de prisão pelos mesmos motivos. Ambas terão usado o VKontakte para partilharem memes, o que lhes valeu uma acusação por extremismo.

É o caso de Daniil Markin, de 19 anos, que há mais de um ano é investigado por divulgar uma imagem que comparava a personagem Jon Snow, da série ​​​​​​Guerra dos Tronos, a Jesus Cristo.

"Há precisamente um ano comecei a ter medo de dormir por temer que me viessem prender logo de manhã. Tenho a certeza que, aos poucos, a Rússia está a considerar-me como um cidadão indesejado", escreveu Martin no VKontakte.

Mais tarde viria a confirmar-se que as investigações em torno de Daniil e Maria estavam ligadas a queixas feitas à polícia pelas duas estudantes por alegadamente terem os seus sentimentos religiosos insultados. Desde então, apagaram as suas contas nas redes sociais.

Andrei Shasherin, de 38 anos, também foi acusada de extremismo, na sequência de memes que satirizavam padres e o patriarca da Igreja Ortodoxa russa, Cirilo I de Moscovo. Shasherin foi acusado de "desacreditar a liderança da Igreja Ortodoxa russa".

"Eu não queria ir para a prisão. Eu estava com medo disso, do mesmo modo que alguém podia estar a ter uma conversa de duas horas com a polícia. Eu assinei uma confissão e uma declaração à parte", disse Shasherin numa entrevista ao canal de televisão independente Dozhd. Também foi colocado numa lista de extremistas do governo russo, o que lhe conferiu restrições à sua conta bancária, podendo levantar apenas um máximo de dez mil rublos (cerca de 127,25 euros).

Nos últimos anos aumentou o número de processos a cidadãos russos por atividades nas redes sociais, de acordo com estatísticas do grupo internacional Agora. Segundo a mesma organização, em 2017 foram instaurados cerca de 411 processos criminais contra utilizadores da Internet, em comparação com 298 casos em 2016. Em sua maioria, surgem acusações de extremismo, que podem incluir incitação ao ódio e à animosidade, reabilitação do nazismo, chamadas ao separatismo e insulto aos sentimentos dos crentes. De acordo com o líder da Agora, Pavel Chikov, a definição oficial de "extremismo" na legislação russa é vasta, de tal modo que a polícia pode discordar de quaisquer argumentos que variam desde publicações com textos "politicamente incorretos" a conteúdos online que ofendem grupos étnicos, religiosos ou governamentais, e até mesmo a própria polícia. "Toda a gente tem de lutar contra o extremismo, toda a gente tem de relatar sobre o trabalho bem-sucedido", disse Chikov.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.