Pyongyang quer reunião com Seul sobre Jogos Olímpicos de Inverno

Coreia do Norte propõe uma nova reunião para a próxima quarta-feira, dia 17 de janeiro, no Pavilhão da Paz, a sul da aldeia de Panmunjeom, junto à fronteira que divide os dois países

A Coreia do Norte propôs hoje à Coreia do Sul uma nova reunião, ao mais alto nível, sobre a participação nos Jogos Olímpicos de Inverno que vão decorrer a partir do dia 9 de fevereiro na zona sul coreana de PyeongChang.

A delegação norte-coreana propõe a realização de uma nova reunião na próximo quarta-feira no Pavilhão da Paz, a sul da aldeia de Panmunjeom, junto à fronteira que divide os dois países, disse hoje à EFE do Ministério para a Unificação do governo de Seul.

A nova proposta foi apresentada na sequência do encontro que decorreu hoje entre os dois países sendo que é previsível que Seul venha a aceitar a reunião de quarta-feira sobre a participação da Coreia do Norte.

A reunião de hoje tratou-se de um "encontro de trabalho" que tinha sido agendado na semana passada.

Os encontros que decorrem neste momento são os primeiros contactos registados nos últimos dois anos e que, na altura, tiveram como resultado o aliviar da tensão entre os dois países.

No encontro da semana passada foi acordado o envio de uma delegação de Pyongyang aos Jogos Olímpicos de Inverno e que os exércitos dos dois países manteriam consultas, pela primeira vez desde 2015, para evitar atritos na zona de fronteira.

Mesmo assim, o regime de Pyongyang ainda não clarificou se os atletas da Coreia do Norte vão participar nas competições oficiais nem se vai aceitar o pedido de Seul para que ambos os países desfilem sob uma "bandeira unificada", tal como já aconteceu em edições anteriores dos Jogos Olímpicos de Inverno.

Espera-se que estes assuntos venham a ser abordados na reunião de quarta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.