Pyongyang cancela iniciativa cultural conjunta com Coreia do Sul

"É lamentável que um evento acordado por ambas partes não se realize devido à decisão unilateral da Coreia do Norte", disse o ministro sul-coreano para a Unificação

Pyongyang cancelou uma iniciativa cultural conjunta prevista com Seul, na sequência das reuniões históricas entre as Coreias do Norte e do Sul este mês, e responsabilizou a comunicação social sul-coreana de publicar informação "parcial" sobre o país.

A decisão de suspender o evento, acordado no âmbito da participação da Coreia do Norte nos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang, no Sul, foi dada a conhecer segunda-feira às autoridades de Seul, confirmou à agência Efe um porta-voz do Ministério sul-coreano para a Unificação.

No fax, a Coreia do Norte fez saber que cancelou a participação no evento cultural conjunto de 04 de fevereiro no monte Kumgang, neste país, acusando a comunicação social da Coreia do Sul de informar de forma "parcial" sobre a gala e sobre um "evento interno" do regime, numa alusão ao desfile militar que Pyongyang está a preparar para quatro dias depois.

A comunicação social sul-coreana está há semanas a analisar as imagens de satélite que mostram os ensaios para um grande desfile militar previsto para o mesmo dia da abertura das Olimpíadas, na qual as duas Coreias vão desfilar juntas.

Responsáveis mais conservadores de Seul criticaram o desfile militar, por considerarem ser uma provocação, depois de a Coreia do Sul ter convidado Pyongyang a participar nos Jogos Olímpicos.

Por outro lado, vários órgãos de comunicação social destacaram na segunda-feira uma aparente falta de recursos energéticos do regime de Kim Jong-un - afetado por sanções -- o que complicaria a iniciativa conjunta no monte Kumgang.

"É lamentável que um evento acordado por ambas partes não se realize devido à decisão unilateral da Coreia do Norte", disse o ministro sul-coreano para a Unificação, num comunicado após ser conhecida a decisão do Norte.

Para o governante, o que ficou acordado deve ser "implementado num espírito de respeito mútuo e entendimento", dado que as duas Coreias deram "um difícil primeiro passo" para melhorar as relações bilaterais.

A gala Kumgang, assim como outros eventos, foram acordados juntamente com a participação norte-coreana nos Jogos Olímpicos de Inverno, que começam a 09 de fevereiro, numas conversações históricas no início do mês entre os dois países que estão tecnicamente em guerra desde os anos 50.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.