Delegação da Coreia do Norte chegou a Seul

Esta é a primeira visita de responsáveis norte-coreanos à Coreia do Sul em quatro anos.

Uma delegação da Coreia do Norte chegou hoje a Seul para conhecer os locais e preparar as iniciativas culturais previstas para os Jogos Olímpicos de Inverno, que se realizam em fevereiro na Coreia do Sul.

Esta é a primeira visita de responsáveis norte-coreanos à Coreia do Sul em quatro anos.

As televisões da Coreia do Sul mostraram um grupo de sete responsáveis chefiada por Hyon Song-Wol, líder de um grupo feminino de música pop muito popular na Coreia do Norte, quando atravessava em autocarro a fronteira entre os dois países.

A Coreia do Norte informou na sexta-feira a Coreia do Sul de que tinha decidido suspender a visita desta delegação artística para preparar os eventos culturais previstos à margem dos Jogos Olímpicos de Inverno, que vão ser realizados em PyeongChang entre 09 de fevereiro e 25 de fevereiro.

Contudo, no sábado acabou por assegurar a Seul que enviaria a delegação, depois de a Coreia do Sul ter instado o regime norte-coreano a explicar as razões por que tinha suspendido a decisão de enviar uma delegação para preparar os eventos culturais.

A Coreia do Norte aceitou na semana passada participar nos Jogos Olímpicos de Inverno em PyeongChang, que fica cerca de 80 quilómetros a sul da zona desmilitarizada, que divide a península coreana.

O acordo entre Pyongyang e Seul, que estão tecnicamente em guerra há mais de 65 anos, para as Olimpíadas de Inverno foi possível depois de o líder norte-coreano, Kim Jong-un, ter levantado a possibilidade, durante a sua mensagem de Ano Novo, de a Coreia do Norte enviar uma delegação à competição.

Este acordo também marcou o restabelecimento da comunicação entre as duas Coreias, algo que não acontecia desde 2016, e representa um apaziguamento do clima de tensão dos últimos meses suscitado pelos diversos testes de mísseis balísticos e pelo programa nuclear de Pyongyang.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.