Coreia do Norte cancelou envio de grupo de artistas à Coreia do Sul

Seul desconhece se Pyongyang cancelou definitivamente esta visita ou se apenas decidiu adiá-la, mas já pediu explicações

A Coreia do Norte cancelou o envio de um grupo de artistas à Coreia do Sul previsto para hoje, para preparar as atuações nos Jogos Olímpicos de Inverno em PyeongChang, sem explicar as razões desta decisão.

Segundo o Ministério sul-coreano da Unificação, Pyongyang deu conta da decisão na véspera, menos de um dia depois de ter proposto enviar a comitiva para visitar as instalações onde decorrerão as atuações norte-coreanas.

A Coreia do Norte planeava enviar um grupo de sete membros liderado por Hyon Song-wol, líder do grupo Moranbong - a banda norte-coreana mais popular e promovida pelo líder Kim Jong-un - para visitar as instalações em Seul e Gangnueng.

O grupo viajaria para a Coreia do Sul através de uma rota terrestre na fronteira ocidental e ficava neste país vizinho dois dias, de acordo com o ministério sul-coreano.

Seul desconhece se Pyongyang cancelou definitivamente esta visita ou se apenas decidiu adiá-la, pretendendo esclarecer esta situação através dos contactos que retomou com o Norte, de acordo com o ministro sul-coreano de Unificação, Cho Myung-gyon.

"Enviámos uma mensagem por fax ao Norte (...) exigindo uma explicação", declarou à imprensa o ministro sul-coreano da Unificação, Cho Myung-Gyon.

Entretanto, o Ministério da Unificação sul-coreano já veio informar a resposta obtida: "O Norte informou que vai enviar uma delegação artística no domingo".

Os observadores temem que esta decisão, unilateral e abrupta por parte da Coreia do Norte, possa prejudicar os recentes encontros que os dois países têm desenvolvido para a celebração dos Jogos Olímpicos, após meses de forte tensão na península na sequência dos ensaios do programa de armamento do regime de Kim Jong-un.

Durante a reunião de trabalho que Seul e Pyongyang realizaram na última segunda-feira, na qual o músico Hyon participou, ficou estabelecido que a Coreia do Norte irá organizar durante os Jogos Olímpicos uma série de concertos e atuações em que participará um grupo de 140 músicos, cantores e dançarinos.

O grupo, chamado Orquesta Samjiyon, integrará a delegação da Coreia do Norte para os Jogos de Inverno, entre 09 e 25 de fevereiro, que também incluirá cerca de 230 pessoas, incluindo atletas e representantes do regime liderado por Kim Jong-un.

Seoul e Pyongyang fizeram duas reuniões de trabalho nas últimas duas semanas para discutir os detalhes dos Jogos Olímpicos, as primeiras em mais de dois anos, e também concordaram em retomar as reuniões de alto nível, encontros que o governo sul-coreano quer manter regularmente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.