Putin garante que Rússia "ama a paz" no maior exercício militar desde a Guerra Fria

Presidente russo assistiu a desfile de militares russos, chineses e mongóis que participam nos jogos de guerra Vostok 2018

"A Rússia é um Estado que ama a paz. Não temos e nem podemos ter planos agressivos. A nossa política externa é dirigida à cooperação construtiva com todos os países interessados (na paz)", garantiu Vladimir Putin russo durante as manobras militares "Vostok-2018", o maior exercício que se realiza na Rússia desde o final da Guerra Fria.

O presidente russo assistiu em Tsogul, junto da fronteira com a China e a Mongólia, ao desfile de tropas russas, chinesas e mongóis. E garantiu que as Forças Armadas russas devem estar preparadas para defender a soberania e os interesses nacionais e, "se necessário, defender os aliados da Rússia.

Soldados, tanques e aviões de guerra participaram no desfile sob o olhar de Putin. E no final da parada, o presidente russo entregou medalhas a oficiais russos e chineses que estiveram envolvidos nos Jogos de Guerra.

Nos exercícios participaram

300 mil militares
3200 dos quais chineses. Em 2014, no Vostok-2014 estiveram envolvidos 155 mil militares, praticamente metade. No ano passado, no exercício Zapad-2017, no Leste da Europa, participaram 12 700 soldados

36 mil veículos militares
entre tanques, blindados de transporte de tropas, veículos de combate de infantaria

1000 aviões
Todo o equipamento moderno das forças armadas russas será utilizado: mísseis Iskander capazes de transportar ogivas nucleares, tanques T-80 e T-90 ou os recentes aviões de combate Su-34 e Su-35​​​

80 navios
No mar, a frota russa destacará várias fragatas equipadas com mísseis Kalibr, que já deram provas na Síria.​​​​​​

Sob o olhar dos EUA

Os EUA indicaram que vão acompanhar o exercício de perto e a NATO também. Citado pela BBC, o porta-voz da Aliança Atlântica, Dylan White, indicou que a NATO foi informada do Vostok-2018 em maio.

"Todos os países têm direito a realizar exercícios com as suas forças armadas, mas é essencial que isso seja feito de forma transparente e previsível", declarou o responsável, que representa os aliados.

Estas manobras militares acontecem num contexto de fortes tensões entre a Rússia e o Ocidente, por causa da anexação da Crimeia à Ucrânia em 2014, por causa da intervenção de Moscovo na Síria, em apoio do regime de Bashar al-Assad, por causa das acusações de ingerência nas eleições presidenciais de 2016 nos EUA e ainda por causa das acusações de envolvimento no envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal no Reino Unido em março deste ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.