Putin estuda reabertura de bases militares em Cuba e no Vietname

Cuba e Vietname são antigos aliados comunistas de Moscovo e foram dois pontos quentes da Guerra Fria

A Rússia está a estudar a reabertura de bases militares em Cuba e no Vietname, antigos aliados comunistas de Moscovo, afirmou hoje o vice-ministro da Defesa russo, Nikolai Pankov.

As antigas bases militares soviéticas e russas nestes dois territórios estiveram ativas até ao início da década de 2000.

"Estamos a trabalhar nisso", referiu Nikolai Pankov em declarações aos jornalistas, sem precisar mais detalhes sobre as negociações.

Cuba e Vietname foram dois pontos quentes da Guerra Fria, já que tanto a então União Soviética como os Estados Unidos tinham bases militares nestes dois países estratégicos.

A intenção de recuperar as bases navais russas nestes dois países já tinha sido anunciada pelas autoridades russas há quatro anos, quando Havana e Moscovo voltaram a ativar a cooperação.

Pouco tempo depois de ter chegado ao poder em 2001, o Presidente russo, Vladimir Putin, encerrou a base de espionagem situada em Lourdes, aberta em 1967 e que era o último remanescente da presença em massa soviética em Cuba. Na altura, a decisão do líder russo foi recebida com estranheza pelos círculos militares.

Em dezembro de 2008, uma frota russa liderada pelo contratorpedeiro anti-submarinos Almirante Chabanenko abriu um novo capítulo ao atracar em Havana pela primeira vez desde 1991.

Nos últimos anos, os dois países têm tentado restabelecer a estreita cooperação que Moscovo e o regime de Havana mantiveram durante a época da União Soviética.

O Kremlin (sede da Presidência russa) saudou o restabelecimento das relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos, anunciado em julho de 2015, mas insiste no levantamento do embargo financeiro e económico norte-americano a Havana, em vigor desde 1962.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).