Putin diz que as tropas vão ficar na Síria enquanto interessar à Rússia

"Não prevemos uma retirada das forças neste momento", afirmou o presidente russo

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou esta quinta-feira que as tropas russas vão permanecer na Síria, onde apoiam o regime de Bashar al-Assad, enquanto for "do interesse da Rússia".

"As grandes operações militares, incluindo as que tiveram participação das nossas forças armadas, terminaram. Os nossos militares estão lá para garantir os interesses da Rússia naquela região de importância decisiva. E vão continuar a estar enquanto for do interesse da Rússia e enquanto cumprimos as nossas obrigações internacionais", afirmou Putin durante a tradicional sessão de perguntas dos cidadãos transmitida pela televisão.

"Não prevemos uma retirada das forças neste momento", acrescentou.

Moscovo afirma ter reduzido significativamente a sua presença militar na Síria depois de novembro de 2017, mas mantém várias unidades no terreno, nomeadamente nas bases aérea de Tartous e naval de Hmeimim.

As duas bases tornaram-se em 2017 bases permanentes da Rússia devido a acordos entre Moscovo e Damasco.

O presidente russo disse contudo que as bases não têm estruturas permanentes, pelo que, se necessário, as tropas russas podem retirar rapidamente.

Putin tinha afirmado em maio, durante um encontro com Bashar al-Assad, que o início de um processo político na Síria contribuiria para uma retirada das "forças armadas estrangeiras" da Síria.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, precisou que essa expressão se aplica a tropas estrangeiras que estão na Síria "de facto de maneira ilegítima do ponto de vista do Direito Internacional", excluindo a Rússia e o Irão, que dizem estar presentes a pedido das "autoridades legítimas sírias".

O presidente russo defendeu esta quinta-feira que a presença russa na Síria é "um instrumento único de treino e aperfeiçoamento" das forças armadas, incomparavelmente mais útil que qualquer exercício militar.

O número exato de militares russos na Síria não é conhecido, apenas o número de militares russos na Síria que votaram nas últimas presidenciais russas, a 18 de março: 2.954 pessoas.

Vladimir Putin defendeu, noutro passo, a criação de um novo sistema de defesa europeu, afirmando que os Estados Unidos estão a "tentar desequilibrar a paridade estratégica".

Em resposta a uma pergunta sobre uma eventual terceira guerra mundial, Putin afirmou que a perspetiva de uma guerra nuclear afasta uma tal hipótese.

O chefe de Estado considerou que o Ocidente "vê erradamente" a Rússia como uma ameaça, mas que isso pode acabar quando perceber que as sanções económicas não servem os interesses dos países ocidentais.

A Rússia é alvo de sanções europeias e norte-americanas devido à anexação da Crimeia, em 2014, e o apoio aos separatistas da Ucrânia, e de sanções adicionais dos Estados Unidos devido à alegada interferência nas presidenciais norte-americanas de 2016.

"Esta pressão vai acabar quando os nossos parceiros se convencerem de que os métodos que usam são ineficazes, contraproducentes e prejudiciais para todos", disse.

"Veem a Rússia como uma ameaça. Veem que a Rússia se tornou um concorrente deles. Consideramos que esta é uma política muito errada", acrescentou.

A sessão anual de perguntas dos cidadãos, que se prolonga por várias horas, foi dominada este ano por questões de política interna.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.