Putin diz que acusações sobre envenenamentos em Inglaterra são "infundadas"

O presidente russo diz que Londres não forneceu qualquer tipo de provas que fundamentem as suas acusações

O presidente da Rússia disse na segunda-feira que são "infundadas" as acusações sobre as ligações de Moscovo aos envenenamentos através do agente químico 'Novichok' que se verificaram em Inglaterra.

"Gostaríamos de ver provas documentadas, mas ninguém nos dá", afirmou o presidente russo

Em entrevista ao canal conservador norte-americano Fox News, Vladimir Putin disse que Londres não forneceu qualquer tipo de provas que fundamentem as suas acusações.

"Só vemos acusações infundadas. Porque é que isto está a ser feito festa forma, porque é que o nosso relacionamento se deve deteriorar por causa disso?"

"Gostaríamos de ver provas documentadas, mas ninguém nos dá", afirmou o Presidente russo.

"Só vemos acusações infundadas. Porque é que isto está a ser feito festa forma, porque é que o nosso relacionamento se deve deteriorar por causa disso?", questionou Putin.

Dawn Sturgess e o namorado, Charlie Rowley, de 45 anos, foram envenenados há cerca de duas semanas e deram entrada no hospital distrital de Salisbury em estado crítico, a mesma unidade hospitalar onde o ex-espião russo Sergei Skripal e a filha estiveram.

A polícia britânica anunciou a abertura de uma investigação por homicídio após a morte de Dawn Burgess devido aos efeitos da substância química 'Novichok'

O casal foi encontrado inconsciente, a 30 de junho, em Amesbury, uma pequena cidade do sul de Inglaterra, a uma dezena de quilómetros de Salisbury, localidade onde Serguei Skripal e a filha Yulia foram envenenados a 4 de março, originando uma crise diplomática com Moscovo.

A polícia anunciou a abertura de uma investigação por homicídio após a morte de Dawn Burgess, de 44 anos, devido aos efeitos da substância química 'Novichok'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.