Putin diz que Rússia não está a tentar dividir a Europa

Presidente russo visita hoje a Áustria, na primeira viagem a um país da Europa Ocidental em quase um ano

O presidente russo, Vladimir Putin, quer trabalhar com uma União Europeia (UE) "unida e próspera", desmentindo qualquer vontade de "desestabilizar" ou "dividir" o continente ao construir relações com partidos eurocéticos ou nacionalistas.

"Temos interesse em que a União Europeia seja unida e próspera, porque a UE é o nosso principal parceiro económico e comercial. E quantos mais problemas há no seio da UE, maiores são os riscos e a incerteza para nós. Pelo contrário, temos que desenvolver a cooperação com a UE", afirmou Putin numa entrevista à estação pública austríaca ORF.

Putin visita hoje a Áustria, na primeira viagem a um país da Europa Ocidental em quase um ano (a última viagem tinha sido à Finlândia, em julho).

As relações entre UE e a Rússia, que já estavam tensas desde a aplicação das sanções económicas a Moscovo por causa da anexação do território ucraniano da Crimeia, assim como a guerra na Síria, ficaram ainda mais difíceis com o envenenamento do ex-agente russo Sergei Skripal e da filha, no Reino Unido. Londres acusou Moscovo de estar por detrás da tentativa de homicídio. Ao contrário da maioria dos países europeus, a Áustria (tal como Portugal) não expulsou diplomatas russos.

O presidente russo vai encontrar-se hoje com o homólogo austríaco Alexander Van der Bellen e o chanceler Sebastian Kurz, assim como líderes empresariais. A visita marca oficialmente os 50 anos da assinatura do primeiro acordo de fornecimento de gaz entre a russa Gazprom e a austríaca OMV.

Ligação à extrema-direita austríaca

Na véspera do encontro com Putin em Viena, o vice-chanceler austríaco e líder do Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ, extrema-direita), Heinz-Christian Strache, pediu o fim das sanções europeias contra a Rússia.

Na entrevista à ORF, o presidente russo desvalorizou as ligações do seu partido Rússia Unida à extrema-direita austríaca (têm um acordo de cooperação desde 2016). Putin admitiu que pode haver "no seio dos partidos políticos, certas preferências" em matéria de colaboração.

"Nós decidimos de maneira pragmática. Tentamos cooperar com aqueles que exprimem publicamente o desejo de trabalhar connosco", afirmou. "É a única razão dos contactos políticos entre os nossos partidos e alguns na Europa, e isso não é certamente qualquer desejo de fazer qualquer coisa para desestabilizar ou constranger a União Europeia", acrescentou Putin. "Espero que a Áustria e outros países da UE tirem essa ideia da cabeça", disse à ORF.

Heinz-Christian Strache, cujo partido pró-russo é aliado do governo conservador de Sebastian Kurz, disse no passado que era contra as sanções europeias a Moscovo, pelo apoio aos rebeldes na Ucrânia. Numa entrevista ao jornal Oesterreich, publicada no domingo, foi ainda mais longe. O FPÖ reconheceu a anexação da Crimeia.

"É tempo de acabar com estas sanções exasperantes e normalizar as relações políticas e económicas com a Rússia", disse Strache.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.