Putin vai "reabrir" Chikhany. A cidade onde era fabricado o Novitchok

A cidade russa, situada perto do rio Volga, onde cientistas soviéticos desenvolveram o agente neurotóxico Novitchov, vai ser "reaberta" em 2019

A "cidade fechada" de Chikhany na Rússia onde os antigos cientistas soviéticos desenvolveram o agente nervoso Novitchov, utilizado alegadamente contra ex-espiões no Reino Unido, vai ser reaberta em 2019 anuncia um decreto do Kremlin.

"Vladimir Putin assinou na quarta-feira um decreto que suprime o estatuto de entidade administrativa fechada para a nossa cidade", situada perto do rio Volga, a 750 quilómetros a sudeste de Moscovo, disse à France Presse Ioulia Erchova, porta-voz da administração local.

O decreto presidencial estabelece um prazo de seis meses às autoridades da administração local para a "abertura" de Chikhany, onde ainda vivem 5500 pessoas

"A nossa fábrica que pertence ao gabinete especial do Instituto de Investigações químicas e de tecnologias orgânicas com sede em Moscovo continua a funcionar mas não sabemos o que vai acontecer após a abertura de Chikhany", acrescentou a porta-voz recusando revelar em concreto que substâncias são produzidas na instalação.

O decreto presidencial foi publicado no 'site' oficial do governo russo e estabelece um prazo de seis meses às autoridades da administração local para a "abertura" de Chikhany, onde ainda vivem 5500 pessoas.

O acesso às "cidades fechadas" continua proibido aos estrangeiros e os russos só podem aceder às localidades referenciadas através de uma autorização especial

Atualmente ainda existem cerca de quatro dezenas de "cidades fechadas", um estatuto herdado do regime soviético e que impunha restrições de acesso, movimento e de residência.

O acesso às "cidades fechadas" continua proibido aos estrangeiros e os russos só podem aceder às localidades referenciadas através de uma autorização especial.

Caso Skripal

Chikhany está a ser alvo das atenções mediáticas por causa das declarações de dois cientistas russos que afirmaram ter trabalhado no Programa Novitchok nos anos 1970 e 1980 desenvolvido na cidade situada perto do Volga.

Segundo o governo britânico, o gás nervoso Novitchok foi utilizado para envenenar, no passado mês de março, o ex-agente duplo russo Serguei Skripal e a filha Julia Skripal.

Em julho, o assunto conheceu desenvolvimentos devido ao envenenamento de um casal britânico que se encontrava a pouco mais de dez quilómetros do local onde os Skripal foram atacados.

Os dois cientistas russos reconhecerem ter estado envolvidos nas pesquisas e desenvolvimento do gás nervoso Novitchok.

Leonid Rink, um dos cientistas, acrescentou que "um vasto número de especialistas trabalhou no Novitchok na cidade de Chikhany e em Moscovo".

Por outro lado, Vil Mirzaianov, encarregado dos serviços de contraespionagem no laboratório de Chikhany emigrou para os Estados Unidos em 1995 tendo revelado a existência de Novitchok.

Mirzaianov divulgou a fórmula química do gás nervoso num livro que foi publicado em 2008.

O governo de Moscovo recusa qualquer implicação nos casos de envenenamento ocorridos no Reino Unido e nega que a substância tenha sido fabricada na cidade Chikhany.

Entretanto, a agência de notícias britânica Press Association, que cita fontes ligadas ao processo, noticia esta quinta-feira que a polícia britânica acredita ter identificado cidadãos russos como suspeitos do ataque contra o ex-agente dos serviços secretos Serguei Skripal e da filha com o gás nervoso.

"Os investigadores acreditam ter identificado os suspeitos do ataque com Novitchok através de câmaras de vigilância", disseram as mesmas fontes à agência de notícias britânica Press Association.

As imagens captadas em Salisbury na zona do ataque contra os Skripal foram comparadas com "os documentos de pessoas" que entraram no Reino Unido na mesma altura.

"Os investigadores têm a certeza de que os suspeitos são russos", acrescentou a fonte da Press Association.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.