Purificador de ar com 100 metros de altura reduz poluição na China

O purificador consiste numa torre e um conjunto de estufas em redor, que ocupam uma superfície equivalente a meio campo de futebol.

O maior purificador do ar no mundo, com 100 metros de altura, em funcionamento no centro da China, está a reduzir o nível de poluição atmosférica numa área de dez quilómetros quadrados, segundo dados preliminares.

Investigadores do Instituto para o Ambiente da Academia de Ciências chinesa estão a realizar medições para comprovar a efetividade do mecanismo, que está a operar desde o ano passado, avançou o jornal de Hong Kong South China Morning Post.

O purificador consiste numa torre e um conjunto de estufas em redor, que ocupam uma superfície equivalente a meio campo de futebol.

A torre absorve o ar poluído e encaminha-o para as estufas, onde o ar aquece e volta a subir pela parte superior do purificador, atravessando vários filtros.

O sistema emite diariamente 10 milhões de metros cúbicos de ar limpo e contribuiu para reduzir a poluição de um nível alto para moderado na zona analisada, segundo os resultados preliminares.

Nas zonas em redor da estrutura foram instalados uma dezena de estações para medir a qualidade do ar e que indicaram uma redução de 15% na concentração de partículas PM2.5, as mais finas e suscetíveis de se infiltrarem nos pulmões.

A equipa vai apresentar resultados mais amplos em março, mas garantiu que os dados preliminares são "animadores".

A China é o maior emissor de gases poluentes do mundo e a poluição é responsável por milhões de mortes prematuras todos os anos no país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.