Puigdemont voltará à Bélgica para liderar governo paralelo

Antigo presidente do governo catalão deverá acionar o chamado Conselho da República

Sem mandato europeu de captura, Carles Puigdemont deverá voltar à Bélgica "nos próximos dias" para pôr em marcha o Conselho da República, uma espécie de governo paralelo a partir do qual pretende governar a Catalunha como seu presidente, avança esta sexta-feira diário espanhol ​​​​​​El Mundo, citando o porta-voz do Junts Per Catalunya, Albert Batet.

Waterloo será o destino provável de Carles Puigdemont. A localidade belga deveria ser a sede do executivo que ex-presidente da Generalitat quis montar fora da Catalunha, e que não chegou a acontecer devido à sua detenção na Alemanha.

Carles Puigdemont fundou um novo partido na última semana - Crida Nacional per la República e, esta quinta-feira, dia 18, uma vez conhecida a decisão do juiz Pablo Llarena de recusar extraditar o ex-presidentpor gestão danosa celebrou a "fraqueza imensa da causa judicial" da tentativa de o julgar por rebelião e instou o magistrado espanhol a "revogar a prisão preventiva" aos políticos envolvidos na organização do referendo de 1 de Outubro que não saíram de Espanha.

O mesmo gesto pediu ontem o presidente da Generalitat, Quim Torra, que também pergunta ao Estado "como pensa recompensar os cidadãos afetados por uma perseguição infundada".

Puigdemont não deve pisar França, recomenda o seu advogado

O advogado do ex-presidente da Generalitat acredita que o mandato de captura europeu poderá voltar assim que Llarena "se tenha carregado de razões", disse à rádio RAC1, Gonzalo Boye acrescentou que Puigdemont deverá voltar à Catalunha "num espaço de tempo razoável" e "para surpresa de muitos será antes do que alguns esperam".

A decisão de Llarena permite a Puigdemont circular por todo o mundo sem perigo de extradição, exceto em Espanha. Mas Boye também não aconselha França ao ex-President nem aos outros dirigentes políticos que se encontram no estrangeiro. "Eu não lhe recomendaria que fosse a França. Falámos bastante e acreditámos que há uma liberdade de movimentos bastante ampla mas em França acontecem umas pecularidades em matéria de cooperação com Espanha e acreditamos que é necessário arriscar".

O advogado tinha rejeitado, via Twitter, e em resposta a Inés Arrimadas, líder dos Ciudadanos da Catalunha, que Puigdemont seja forçado a regressar a Espanha com a decisão do juiz Pablo Llarena.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.