Puigdemont garante ter caído numa armadilha de Madrid

Em Genebra, ex-presidente da Generalitat disse arrepender-se de ter suspendido a independência. Em Barcelona, manifestação reuniu milhares de catalães não independentistas

Milhares de catalães desfilaram ontem ao princípio da tarde por Barcelona para reivindicar o "fracasso do processo independentista", pedir um governo catalão "para todos", assim como "unidade e seny", - uma palavra catalã que se pode traduzir por sensatez. Enquanto isso, em Genebra, o ex-presidente da Generalitat Carles Puigdemont continuava os esforços para internacionalizar a questão, dizendo arrepender-se de suspender a declaração unilateral de independência e admitindo ter caído na "armadilha" de Madrid.

É a segunda vez que o ex-presidente sai de Bruxelas, onde se autoexilou para não responder às acusações de rebelião, sedição e peculato na organização do referendo de 1 de outubro e consequente declaração unilateral de independência. As mesmas acusações que mantêm dois dos seus antigos membros do governo detidos em Madrid. "Uma demonstração de normalidade democrática em Espanha seria deixarem sair os presos e que nós pudéssemos voltar", disse Puigdemont no debate no Festival de Cinema e Fórum de Direitos Humanos na Suíça, após a projeção de um documentário sobre o processo independentista.

Ao jornal Tribune de Genève , Puigdemont disse estar arrependido de ter suspendido a declaração de independência, alegando que o fez porque lhe foi sugerido por Madrid para abrir a porta ao diálogo. "Lamentavelmente, era uma armadilha, já que não houve nenhuma reação positiva do governo. Se pudesse voltar atrás não suspenderia a proclamação de independência", disse. Já ao Le Temps considerou "inusual" o facto de Madrid ter negociado com os bascos da ETA, mas ser incapaz de dialogar com os catalães. "É inaceitável."

Horas antes, convocados pela Sociedade Civil Catalã (SCC), os catalães tinham-se saído à rua. "A Catalunha merece um governo sem imputados, sem rebelião e sem corrupção", disse o líder do Ciudadanos, Albert Rivera, que desfilou na frente da manifestação em Barcelona. "Nós queremos um governo para todos os catalães, não apenas para os independentistas. Um governo que deixe finalmente para trás o pesadelo do processo separatista", indicou Alex Ramos, presidente da SCC. Esta associação estimou em 200 mil os presentes, mas segundo a polícia de Barcelona não foram mais de sete mil.

Ao lado de Rivera desfilou o ex-primeiro-ministro francês Manuel Valls, que nasceu em Barcelona. "A Europa precisa da Espanha tal como está, unida. Romper os estados e fazer uma Europa das regiões num mundo globalizado com grandes potências é acabar com o projeto europeu", disse à Catalunya Ràdio, rejeitando a hipótese de uma medição europeia para resolver a situação. Valls disse ainda estar convencido de que, em França, nunca seria aceite um referendo independentista e que se houvesse um processo separatista, o governo atuaria e os responsáveis "seriam condenados pela justiça francesa".

A situação política está bloqueada na Catalunha desde as eleições de 21 de dezembro, que voltaram a dar aos partidos independentistas a maioria no Parlamento catalão. Contudo, com os seus dirigentes exilados ou detidos, estes partidos não conseguiram ainda eleger um novo presidente da Generalitat. O Ciudadanos, que venceu as eleições catalãs mas não tem votos para governar, está entretanto à frente das sondagens em Espanha. Segundo o estudo da Gad3, para o La Vanguardia, o partido de Rivera tem 27,3% de intenção de voto, contra 23,8% do PP de Mariano Rajoy. Os socialistas de Pedro Sánchez têm 22,1%, enquanto o Unidos Podemos de Pablo Iglesias fica-se pelos 16,7%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.