Puigdemont em liberdade condicional não pode sair de Bruxelas

Juiz belga ouviu líder secessionista durante a tarde. Políticos catalães entregam passaporte e não podem sair de Bruxelas

O juiz de instrução belga decretou liberdade condicional para o ex-presidente catalão Carles Puigdemont, bem como para os quatro antigos conselheiros da Generalitat.

Puigdemont, Meritxell Serret, Toni Comín, Lluís Puig e Clara Ponsantí estão obrigados a permanecer em Bruxelas durante o período de vigência do procedimento. Os arguidos tiveram de entregar o passaporte e têm de informar o juiz onde ficam hospedados durante a sua estadia na Bélgica.

Apesar de ainda não haver comunicado oficial, as medidas foram confirmadas pelos advogados de defesa.

O juiz tinha três opções: recusar-se a dar provimento à ordem dos mandados de captura europeus; dar provimento e manter os cinco políticos catalães sob custódia; ou deixá-los em liberdade condicional.

O Ministério Público belga emitira no sábado um mandado de captura, dando início ao procedimento judicial requerido pela justiça espanhola. Puigdemont e os quatro ex-governantes, que tinham anunciado a intenção de cooperar com a justiça belga, foram detidos às 9.17 da manhã. Segundo a lei federal da Bélgica, o juiz tinha de ouvir os detidos e tomar uma decisão no espaço de 24 horas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.