Puigdemont critica aviso feito por Juncker

Luxemburguês diz que Rajoy tem grande apoio na Europa. Ex-líder do 'govern' responde com resultados do PP na Catalunha.

"Na Catalunha, Rajoy tem 8,5% dos votos. Mas, de acordo com Juncker, Mariano Rajoy tem muito (?) apoio na Europa pelas suas políticas na Catalunha. Será que Juncker tem qualquer consideração pelos votos e opiniões dos cidadãos europeus?". Foi assim que Carles Puigdemont, o ex-presidente da Generalitat, reagiu no Twitter à entrevista dada ontem pelo líder da Comissão Europeia ao El País.

Para Jean-Claude Juncker, "as autoridades catalãs não devem subestimar o amplo apoio que Rajoy tem em toda a Europa. Enganam-se por completo se o fizerem". Frase que motivou a reação de Puigdemont. Falando ainda sobre o primeiro-ministro espanhol e a situação na Catalunha, o líder comunitário admitiu que Rajoy tem "uma abordagem muito baseada na legalidade", mas garante que não será ele a culpá-lo por isso. "Ainda mais quando foi provocado por comportamentos ilegais por parte de dirigentes catalães".

A crise independentista da Catalunha foi o tema central desta entrevista, com Jean-Claude Juncker a admitir que esta é "uma enorme preocupação". "Não gosto da situação que causou: é um desastre. Em muitos sentidos. Rarefez a atmosfera política, gerou uma fratura interna na sociedade espanhola e na catalã: criou problemas dentro das famílias, entre os amigos. É triste. Nunca devia ter acontecido", afirmou o presidente da Comissão Europeia.

Jean-Claude Juncker garantiu ainda ao jornal El País que nunca teve um contacto pessoal com Carles Puigdemont, admitindo, por outro lado, que Mariano Rajoy "é um grande amigo" e que apoia "a postura do governo espanhol". "Estou a favor de quem respeita a lei. A UE baseia-se no império da lei, e o que os meus amigos catalães fizeram foi o contrário: desrespeitaram a lei. Estou com quem respeita o quadro institucional, não posso suportar quem viola isso", afirmou.

Questionado sobre a realização de eleições autonómicas na Catalunha a 21 de dezembro e sobre a possibilidade de os partidos independentistas conseguirem renovar a sua maioria parlamentar (como indicam as sondagens), o líder da Comissão Europeia afirmou que não lhe cabe a ele comentar cenários hipotéticos. Mas deixou claro que o seu desejo "é que Espanha use toda a sua força e inteligência para conduzir todo isto para um final feliz. Ou pelo menos aceitável".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.