PT vai anunciar hoje Lula como pré-candidato oficial

Ex-presidente avança, indiferente à possibilidade de se tornar inelegível e de ser preso. Outros concorrentes investem contra Temer

Lula da Silva será hoje anunciado como pré-candidato oficial do Partido dos Trabalhadores (PT) às eleições de outubro, aproveitando o mês da celebração do 38.º aniversário do partido. Na ocasião, lerá uma Carta ao Povo Brasileiro, que marca o pontapé de saída definitivo da sua corrida de regresso ao Palácio do Planalto, oito anos depois de ter cedido a faixa presidencial à colega do PT Dilma Rousseff.

O anúncio será feito independentemente de o ex-sindicalista ter sido condenado a 12 anos e um mês de prisão por um tribunal de segunda instância de Porto Alegre no dia 25 de janeiro, facto que segundo o entendimento da maioria dos juristas o tornaria "ficha-suja", logo inelegível. Mais: de acordo com a lei em vigor, quem for condenado por órgão colegiado, como é o caso da corte em causa, deve ser preso. No entanto, Lula e os seus advogados ainda não esgotaram as possibilidades de recurso - na terça-feira, a sua defesa citou 23 omissões e contradições no julgamento de Porto Alegre para sustentar um "embargo de declaração", expediente jurídico que não tem poder para alterar a sentença mas pode protelá-la mais uns meses.

Em paralelo, há manifestações pró-Lula marcadas pelo país e até no estrangeiro. Ontem, a pretexto da exibição no Festival de Cinema de Berlim do documentário O Processo, sobre o impeachment de Dilma Rousseff, um grupo de emigrantes brasileiros reuniu-se na Potsdamer Platz em defesa do antigo presidente.

Enquanto Lula, líder nas sondagens, avança na pré-campanha, outros pré-candidatos intervêm. O antigo ministro e governador do Ceará Ciro Gomes, do Partido Democrático Trabalhista, que também disputa votos à esquerda, reuniu-se com Fernando Haddad, ex--prefeito de São Paulo, e dado na imprensa como plano B do PT caso Lula não possa, de facto, concorrer. "Eu como candidato a presidente e o Haddad a vice era a dupla dos sonhos", vem dizendo Ciro Gomes.

Gomes afirmou ainda, a propósito da intervenção militar no Rio de Janeiro, que o atual presidente da República Michel Temer "é uma figura enojante [repugnante]". E aproveitou para criticar o governador de São Paulo e também provável candidato Geraldo Alckmin, do Partido da Social Democracia Brasileira: "Em São Paulo, o crime diminuiu porque defraudaram dados e porque há mais de uma década existe acordo entre as autoridades e o Primeiro Comando da Capital [maior organização criminosa do Brasil, com sede no estado].

A intervenção militar no Rio levou também o segundo classificado nas sondagens, o deputado Jair Bolsonaro, do Partido Social Cristão, a investir contra Temer. "Ele já roubou muita coisa mas o meu discurso não vai roubar, é apenas uma intervenção com fins políticos", disse Bolsonaro, que é militar na reserva e tem a questão da segurança como seu principal cavalo de batalha.

Entretanto, foi ligado o sinal de alerta na candidatura de Marina Silva, do Rede Sustentabilidade, depois de dois dos seus deputados indicarem intenção de mudar de partido. Caso isso se confirme, a Rede passaria a ter um grupo parlamentar inferior a cinco, condição legal para os candidatos poderem participar nos debates.

Em São Paulo

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.