PT vai anunciar hoje Lula como pré-candidato oficial

Ex-presidente avança, indiferente à possibilidade de se tornar inelegível e de ser preso. Outros concorrentes investem contra Temer

Lula da Silva será hoje anunciado como pré-candidato oficial do Partido dos Trabalhadores (PT) às eleições de outubro, aproveitando o mês da celebração do 38.º aniversário do partido. Na ocasião, lerá uma Carta ao Povo Brasileiro, que marca o pontapé de saída definitivo da sua corrida de regresso ao Palácio do Planalto, oito anos depois de ter cedido a faixa presidencial à colega do PT Dilma Rousseff.

O anúncio será feito independentemente de o ex-sindicalista ter sido condenado a 12 anos e um mês de prisão por um tribunal de segunda instância de Porto Alegre no dia 25 de janeiro, facto que segundo o entendimento da maioria dos juristas o tornaria "ficha-suja", logo inelegível. Mais: de acordo com a lei em vigor, quem for condenado por órgão colegiado, como é o caso da corte em causa, deve ser preso. No entanto, Lula e os seus advogados ainda não esgotaram as possibilidades de recurso - na terça-feira, a sua defesa citou 23 omissões e contradições no julgamento de Porto Alegre para sustentar um "embargo de declaração", expediente jurídico que não tem poder para alterar a sentença mas pode protelá-la mais uns meses.

Em paralelo, há manifestações pró-Lula marcadas pelo país e até no estrangeiro. Ontem, a pretexto da exibição no Festival de Cinema de Berlim do documentário O Processo, sobre o impeachment de Dilma Rousseff, um grupo de emigrantes brasileiros reuniu-se na Potsdamer Platz em defesa do antigo presidente.

Enquanto Lula, líder nas sondagens, avança na pré-campanha, outros pré-candidatos intervêm. O antigo ministro e governador do Ceará Ciro Gomes, do Partido Democrático Trabalhista, que também disputa votos à esquerda, reuniu-se com Fernando Haddad, ex--prefeito de São Paulo, e dado na imprensa como plano B do PT caso Lula não possa, de facto, concorrer. "Eu como candidato a presidente e o Haddad a vice era a dupla dos sonhos", vem dizendo Ciro Gomes.

Gomes afirmou ainda, a propósito da intervenção militar no Rio de Janeiro, que o atual presidente da República Michel Temer "é uma figura enojante [repugnante]". E aproveitou para criticar o governador de São Paulo e também provável candidato Geraldo Alckmin, do Partido da Social Democracia Brasileira: "Em São Paulo, o crime diminuiu porque defraudaram dados e porque há mais de uma década existe acordo entre as autoridades e o Primeiro Comando da Capital [maior organização criminosa do Brasil, com sede no estado].

A intervenção militar no Rio levou também o segundo classificado nas sondagens, o deputado Jair Bolsonaro, do Partido Social Cristão, a investir contra Temer. "Ele já roubou muita coisa mas o meu discurso não vai roubar, é apenas uma intervenção com fins políticos", disse Bolsonaro, que é militar na reserva e tem a questão da segurança como seu principal cavalo de batalha.

Entretanto, foi ligado o sinal de alerta na candidatura de Marina Silva, do Rede Sustentabilidade, depois de dois dos seus deputados indicarem intenção de mudar de partido. Caso isso se confirme, a Rede passaria a ter um grupo parlamentar inferior a cinco, condição legal para os candidatos poderem participar nos debates.

Em São Paulo

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."