PSOE insiste que o tempo de Rajoy "acabou"

O PSOE apresentou uma moção de censura contra o presidente do Governo espanhol, após a sentença num caso de corrupção que condenou vários membros do PP e o próprio partido

O líder do PSOE, Pedro Sánchez, afirmou hoje em Madrid que o tempo do governo do Partido Popular "acabou", insistindo que "não há qualquer cálculo político ou eleitoral que justifique a permanência de Mariano Rajoy no Governo".

Sánchez, que se reuniu esta manhã no parlamento com os deputados de senadores do PSOE (Partido Socialista Operario Espanhol), acusou Rajoy de ter posto em perigo a coesão social e territorial de Espanha, a credibilidade do país na União Europeia e dos partidos políticos perante os cidadãos.

O PSOE apresentou na passada sexta-feira uma moção de censura contra o presidente do Governo, apenas 24 horas depois da sentença no "caso Gürtel", um esquema de corrupção que condenou vários membros do PP (Partido Popular, direita), assim como o próprio partido.

Pedro Sánchez, que não é deputado nem senador, foi explicar esta manhã as razões que o levaram a avançar com a moção de censura aos membros socialistas no Congresso dos Deputados (parlamento) e Senado (câmara alta).

O parlamento vai discutir a moção na quinta e sexta-feira, estando o PSOE longe de ter assegurado o apoio de metade mais um dos 350 deputados necessários para aprovar a proposta.

Para o secretário-geral do PSOE, a única pergunta que todos os deputados têm de responder na sexta-feira, quando a moção de censura for votada, é se "depois de se ter conhecido a sentença do caso Gürtel, Mariano Rajoy pode continuar como presidente do Governo".

Ciudadanos defende eleições "imediatas" porque as sondagens apontam que este partido estaria a subir muito nas intenções de voto dos espanhóis

A moção só seria bem-sucedida se fosse apoiada pelo quarto maior partido no parlamento espanhol, o Cidadãos (direita liberal) que já anunciou que defende a marcação de eleições e não uma moção de censura que iria implicar um Governo liderado pelo PSOE, ao qual se opõem.

O Ciudadanos defende eleições "imediatas" porque as sondagens apontam que este partido estaria a subir muito nas intenções de voto dos espanhóis, podendo mesmo aspirar a ser o primeiro partido na assembleia em caso de consulta eleitoral.

O Podemos (extrema-esquerda) e terceira maior força no parlamento é até agora a única força que assegurou o apoio a uma moção, se os socialistas avançarem nesse sentido.

O sucesso da moção de censura depende, assim, do apoio, pouco provável, de uma série de formações políticas nacionalistas e separatistas.

O PP, partido do primeiro-ministro, Mariano Rajoy, foi multado em 245 mil euros por ter beneficiado do esquema ilegal que se baseava em conceder contratos públicos a empresas em troca de dinheiro

A Audiência Nacional, que julga os casos mais graves de corrupção, aplicou na passada quinta-feira penas elevadas a uma série de políticos e empresários envolvidos no caso Gürtel.

O próprio partido do primeiro-ministro, Mariano Rajoy, foi multado em 245 mil euros por ter beneficiado do esquema ilegal que se baseava em conceder contratos públicos a empresas em troca de dinheiro.

Mariano Rajoy, chamado a prestar declarações ao tribunal, em julho de 2017, afirmou na altura que não estava a par dos casos de corrupção quando estes tiveram lugar a partir de 1999 e que ele próprio decidiu, em 2004, cortar as relações que havia entre o PP e Francisco Correa, cujas empresas forneciam serviços a esse partido.

Este empresário, que é considerado o "cérebro" do "caso Gürtel", foi condenado a mais de 52 anos de prisão.

Mariano Rajoy nunca foi envolvido diretamente no caso Gürtel, mas os seus cargos de responsabilidade no PP têm levado os opositores a acusá-lo de ter "fechado os olhos" ao esquema

Durante o julgamento, Francisco Correa explicou um esquema em que entregava "envelopes" com dinheiro a funcionários públicos e responsáveis políticos eleitos pelo PP, para ajudarem certas empresas "amigas" a ganharem contratos de direito público.

Mariano Rajoy nunca foi envolvido diretamente no caso Gürtel, mas os seus cargos de responsabilidade no PP têm levado os opositores a acusá-lo de ter "fechado os olhos" ao esquema.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.