PSOE dispara nas intenções de voto e lidera sondagens com Sánchez

Dois meses depois da chegada de Pedro Sánchez à Moncloa, barómetro do Centro de Investigaciones Sociológicas (CIS) coloca os socialistas em primeiro lugar nas intenções de voto dos eleitores espanhóis

No referido inquérito de opinião, divulgado esta quinta-feira em Espanha, o PSOE conta com 29,9% das intenções de voto, o Partido Popular de Pablo Casado e o Ciudadanos de Albert Rivera surgem empatados com 20,4%. O Podemos de Pablo Iglesias aparece em quarto lugar neste barómetro com 15,6%.

Este é o primeiro barómetro do CIS desde a moção de censura com que Sánchez derrubou Mariano Rajoy, mas não inclui por exemplo o possível efeito da eleição de Casado para líder do PP a 21 de julho.

É com estes números em pano de fundo que o primeiro-ministro socialista espanhol e o líder da oposição conservadora se reúnem hoje, pela primeira vez de forma oficial, no palácio da Moncloa. A pressão migratória sobre a chamada Fronteira Sul de Espanha, a afronta dos independentistas da Catalunha ao Estado espanhol e o crescimento económico e o emprega são os temas que estão no centro da agenda do encontro entre os dois políticos.

Outro dado curioso que revelam estes dados do CIS é que o bipartidarismo, outrora em crise em Espanha, está de volta. Juntos, PSOE e PP somam mais de 50% das intenções de voto, algo que tinha sido posto em causa pela força ganha por partidos como Podemos e Ciudadanos durante os últimos anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.