PSOE admite eleições antecipadas para ter o apoio de Ciudadanos na moção de censura

"A convocação de eleições não será um obstáculo para poder chegar a acordo", disse este sábado o secretário do PSOE

Sobe de tom a crise política em Espanha. O PSOE não descarta a possibilidade de eleições antecipadas para ter o apoio de Ciudadanos na moção de censura ao governo que anunciou esta semana.

"A convocação de eleições não será um obstáculo para poder chegar a acordo", disse este sábado o secretário do PSOE, José Luis Ábalos, em declarações à rádio Cope.

A moção de censura contra o governo de Mariano Rajoy foi anunciada pelo PSOE, de Pedro Sánchez, um dia depois de ter sido conhecida a sentença contra o PP no chamado caso Gürtel.

A convocação de eleições antecipadas era a condição exigida pelo Ciudadanos, de Albert Rivera, para apoiar a iniciativa dos socialistas. Um obstáculo agora ultrapassado.

Na quinta-feira, foi conhecida a sentença do caso de corrupção, que envolveu empresários e membros do PP. Além de pesadas penas de prisão para 29 dos acusados, entre os quais o ex-tesoureiro do PP, o partido de Mariano Rajoy foi multado em 245 mil euros

No programa "La Mañana del Fin de Semana", da rádio Cope, José Luis Ábalos justifica a moção de censura dos socialistas face à sentença no caso Gürtel. "Esta não é uma manobra nem uma justificação para alcançar o poder. Trata-se de responder a um governo que não quer assumir nenhuma responsabilidade política face a uma sentença demolidora", disse o secretário do PSOE.

Na quinta-feira, foi conhecida a sentença do caso de corrupção, que envolveu empresários e membros do PP. Além de pesadas penas de prisão para 29 dos acusados, entre os quais o ex-tesoureiro do PP, o partido de Mariano Rajoy foi multado em 245 mil euros.

De acordo com Ábalos, a moção de censura "não é uma tomada de poder", mas sim "uma resposta política a essa demolidora sentença do caso Gürtel, porque o governo não assumiu nenhuma responsabilidade". Para o secretário dos socialistas, a iniciativa representa uma necessidade para os desafios que Espanha vai enfrentar e que "requerem um governo com suficiente autoridade moral".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.