PSOE admite eleições antecipadas para ter o apoio de Ciudadanos na moção de censura

"A convocação de eleições não será um obstáculo para poder chegar a acordo", disse este sábado o secretário do PSOE

Sobe de tom a crise política em Espanha. O PSOE não descarta a possibilidade de eleições antecipadas para ter o apoio de Ciudadanos na moção de censura ao governo que anunciou esta semana.

"A convocação de eleições não será um obstáculo para poder chegar a acordo", disse este sábado o secretário do PSOE, José Luis Ábalos, em declarações à rádio Cope.

A moção de censura contra o governo de Mariano Rajoy foi anunciada pelo PSOE, de Pedro Sánchez, um dia depois de ter sido conhecida a sentença contra o PP no chamado caso Gürtel.

A convocação de eleições antecipadas era a condição exigida pelo Ciudadanos, de Albert Rivera, para apoiar a iniciativa dos socialistas. Um obstáculo agora ultrapassado.

Na quinta-feira, foi conhecida a sentença do caso de corrupção, que envolveu empresários e membros do PP. Além de pesadas penas de prisão para 29 dos acusados, entre os quais o ex-tesoureiro do PP, o partido de Mariano Rajoy foi multado em 245 mil euros

No programa "La Mañana del Fin de Semana", da rádio Cope, José Luis Ábalos justifica a moção de censura dos socialistas face à sentença no caso Gürtel. "Esta não é uma manobra nem uma justificação para alcançar o poder. Trata-se de responder a um governo que não quer assumir nenhuma responsabilidade política face a uma sentença demolidora", disse o secretário do PSOE.

Na quinta-feira, foi conhecida a sentença do caso de corrupção, que envolveu empresários e membros do PP. Além de pesadas penas de prisão para 29 dos acusados, entre os quais o ex-tesoureiro do PP, o partido de Mariano Rajoy foi multado em 245 mil euros.

De acordo com Ábalos, a moção de censura "não é uma tomada de poder", mas sim "uma resposta política a essa demolidora sentença do caso Gürtel, porque o governo não assumiu nenhuma responsabilidade". Para o secretário dos socialistas, a iniciativa representa uma necessidade para os desafios que Espanha vai enfrentar e que "requerem um governo com suficiente autoridade moral".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.