Kirstjen Nielsen vaiada em restaurante mexicano. Quem é a chefe da imigração dos EUA?

Ativistas contra políticas de imigração norte-americanas interromperam jantar da secretária de Segurança Interna dos EUA em restaurante mexicano. Quem é esta mulher que Donald Trump esteve prestes a despedir

"Como se atreve a jantar em paz quando as crianças estão a ser separadas dos pais?". As palavras de protesto são dirigidas à secretária de Estado da Segurança Interna, enquanto jantava num restaurante mexicano próximo da Casa Branca, em Washington, e foram gravadas, e divulgadas, por um grupo de ativistas contra a política de imigração dos EUA que entrou no estabelecimento e confrontou Kirstjen Nielsen.

Quem é esta mulher que apareceu diante dos jornalistas na segunda-feira, dia 18, para defender a política de separação de pais e filhos na fronteira sul dos EUA? Alguém que Donald Trump considerava ter uma atuação débil no controlo de fronteiras e que esteve a ponto de ser despedida.

Discreta até agora, Nielsen é uma funcionária ligada à administração Bush que o presidente dos EUA repreendeu numa reunião por considerar que estava a ter uma atuação fraca no controlo de fronteiras. A própria considerou demitir-se do cargo, escreve a imprensa norte-americana. Com o endurecimento da aplicação das leis de imigração, e a consequente separação de famílias, elementos próximos de Trump viam na Secretária de Estado da Segurança Interna o elo mais fraco e acreditavam que seria despedida.

Confrontada com o áudio de crianças a chorar e a chamar pelos pais divulgado pela ProPublica, Kirstjen Nielsen começou por dizer que desconhecia o seu conteúdo para logo garantir que todas as crianças estão a ser tratatas com "dignidade e humanidade". Tornou-se então no rosto da política de tolerância zero, alvo dos protestos daqueles que lutam contra a política de imigração dos EUA.

Foi o que aconteceu na terça-feira à noite, sentada numa mesa discreta do restaurante MXDC Cocina Mexicana. Os manifestantes da organização Metro D.C. Democratic Socialists of America irromperam pelo restaurante e uma vez perto da chefe de Segurança Interna gritaram palavras de ordem.

"Não às fronteiras, não aos muros."

"Nenhum ser humano é ilegal."

"Vergonha. Vergonha. Vergonha."

"Acabem com os campos de concentração no México."

"Peça desculpa."

"Porcos fascistas."

Durante o vídeo, de cerca de 10 minutos, divulgado pelos manifestantes, Krisjen Nielsen mantém-se com os olhos no telemóvel e não olha para os manifestantes.

A certa altura, alguém começa a passar o áudio do choro das crianças e um dos ativistas pergunta: "Ouve os bebés a chorar? Como pode dormir à noite?"

Veja aqui o vídeo:

"Não vamos deixar a secretária de Estado Nielsen jantar em paz, enquanto ela dirigir os seus empregados para separar meninas das suas mães e rapazes a chorar dos seus pais nas nossa fronteira", disse Margaret McLaughlin, membro da Metro DC Democratic Socialists of America. "A Secretária de Estado Nielsen e toda a gente que cumpriu estas ordens brutais e a sangue-frio para separar famílias não devia poder comer e beber em público de novo", acrescentou à New York Mag.

A indiferença com que Nielsen encarou os protestos mereceu, no entanto, resposta pública do seu porta-voz, Tyler Q. Houlton. "Durante um jantar de trabalho esta noite, a secretária de Estado e a sua equipa ouviram um grupo de manifestantes que partilham com ela a preocupação com as nossas leis de imigração que criaram um situação de crise nas fronteiras."

A resposta faz parecer que existiu uma interação com os ativistas que o vídeo não documenta e mantém-se a ideia de que o congresso e não a administração Trump podem resolver a questão, uma explicação que tem sido amplamente contestada por especialistas e pela imprensa norte-americana. A lei não mudou, foi a sua aplicação que endureceu.

A separação de pais e filhos abriu uma crise nos EUA que pode afundar Trump, alegam alguns analistas. A contestação vem dos democratas, mas também de alguns membros do Partido Republicano,

Kristjen Nielsen recebeu, em contrapartida, os elogios do presidente Donald Trump por uma "trabalho fabuloso". Via twitter, naturalmente.

Advogada, 45 anos, nascida na Florida e licenciada em Georgetown, trabalhou com George W. Bush e assumiu a chefia da Segurança interna em dezembro de 2017. Sucedeu a John Kelly no cargo.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.