Proprietário de armazém que explodiu em Tui foi detido e é ouvido sexta-feira

Impacto do rebentamento destruiu cerca de 20 casas e foi sentido a vários quilómetros de distância

O proprietário do armazém de material pirotécnico que explodiu na quarta-feira em Tui, Galiza, foi detido e vai ser presente ao juiz do tribunal local na sexta-feira, disse esta quinta-feira à agência Lusa fonte da Guardia Civil de Pontevedra.

A mesma fonte adiantou que o homem, detido na quarta-feira à tarde, encontra-se nas instalações da Guardia Civil de Pontevedra a aguardar a conclusão do processo judicial para ser presente a tribunal".

De acordo com a fonte, "os bombeiros e a proteção civil estão esta quinta-feira a realizar trabalhos de remoção dos escombros à procura de eventuais novas vítimas da explosão".

Aquela fonte revelou "que as autoridades desconheciam a existência daquele armazém ilegal", adiantando que "a fábrica, licenciada, do homem agora detido, está situada a cerca de dois quilómetros de distância".

A Guardia Civil adiantou que "é ainda desconhecida a identidade da vítima mortal, devido ao estado em que ficou o cadáver, mas tudo indica tratar-se de uma mulher".

Referiu ainda que "os 26 feridos resultantes da explosão foram encaminhados para o hospital de Vigo, sendo que a maioria teve alta hospitalar ainda durante o dia de quarta-feira", e disse "desconhecer a existência de desaparecidos".

O impacto do rebentamento destruiu cerca de 20 casas e provocou danos em mais de uma centena, tendo sido sentido a vários quilómetros de distância.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.