Projeto para ajudar comunidade portuguesa em Londres recebe financiamento britânico

Mais de 30 mil portugueses, a maioria imigrantes que chegaram nos anos 1970 e 1980, sem muitas qualificações e que mantêm dificuldade em comunicar em inglês.

Um grupo de médicos e organizações sem fins lucrativos para a área da educação, cultura ou apoio social que trabalha com a comunidade portuguesa em Londres recebeu um fundo de 335 mil libras (380 mil euros) para desenvolver a atividade.

O financiamento, para os próximos dois anos, foi concedido pela Fundação Guy's & St Thomas Charity, associada aos hospitais públicos de Guy's e St. Thomas, que servem a comunidade portuguesa residente no sul da capital britânica, sobretudo no município de Lambeth.

A Lambeth Portuguese Community Wellbeing Society Partnership (LPCWSP) [Associação para o Bem Estar da Comunidade Portuguesa de Lambeth] foi formada na sequência de um projeto iniciado pelo médico britânico Vikesh Sharma após abrir atividade num centro de saúde perto de Stockwell, o bairro chamado "Little Portugal".

Na área vivem mais de 30 mil portugueses, a maioria imigrantes que chegaram nos anos 1970 e 1980 do continente e da ilha da Madeira sem muitas qualificações e que mantêm dificuldade em comunicar em inglês.

As barreiras linguística e cultural acabam por desencorajar o uso dos serviços de saúde britânicos, agravando problemas como diabetes e doenças cardiovasculares.

Depois de, juntamente com o português Cristiano Figueiredo, ter iniciado em 2015 a tradução de folhetos e iniciado uma aproximação à comunidade portuguesa, Vikesh Sharma continuou a desenvolver o projeto.

O objetivo é informar os portugueses sobre os diferentes serviços de saúde britânicos e o seu funcionamento e ajudar a resolver problemas como alcoolismo, saúde mental, isolamento ou violência doméstica.

No passado mês de novembro, a LPCWSP organizou em Stockwell um magusto onde estavam presentes profissionais de saúde, associações culturais e representantes de organizações oficiais e não-governamentais para promover boas práticas de saúde.

Entre estas estavam as organizações Respeito, Native Scientist, Luso Academy, o consulado-geral de Portugal em Londres, o Centro Desportivo e Cultural Português e a Polícia Metropolitana.

O evento aberto ao público que celebrou o Dia de São Martinho mobilizou 360 pessoas e mais de uma centena de outros participantes, a maioria voluntários e empresas, que ofereceram conselhos e realizaram atividades, em paralelo à animação cultural e gastronómica.

Para o médico Vikesh Sharma, o dinheiro disponibilizado pela Fundação Guys & St Thomas Charity vai permitir aprofundar o "trabalho e visão" desenvolvidos nos últimos dois anos.

"Acreditamos que, para realmente capacitar os indivíduos, para melhorar o seu bem-estar, para evitar que se fiquem mal, temos que criar uma nova maneira de proporcionar cuidados holísticos. Uma forma que envolve especialistas de todas as áreas - saúde, educação, habitação, organizações voluntárias, etc", explicou à agência Lusa.

O importante, vincou, é que a comunidade portuguesa esteja envolvida, pelo que pretende mais parcerias com outras organizações lusófonas.

"Esperamos providenciar um novo espaço sustentável na comunidade onde as pessoas possam encontrar o bem-estar", declarou Sharma.

A Fundação Guy's e St Thomas Charity, que tem como principal objetivo melhorar a saúde dos residentes das áreas de Lambeth e Southwark, este apoio insere-se numa estratégia lançada recentemente para compreender melhor as causas de problemas de saúde como, por exemplo, a obesidade infantil, e procurar identificar possíveis soluções.

"Estamos focados em abordar alguns dos problemas de saúde mais complexos que afetam pessoas que vivem em comunidades urbanas, diversificadas e desfavorecidas", disse o diretor de Programa, Michael Wright, à Lusa.

O apoio à LPCWSP poderá ajudar a conhecer melhor a comunidade portuguesa, as suas necessidades específicas e perceber as melhores formas de a ajudar.

"Com o tempo, esperamos que, trabalhando em parceria com a comunidade, possamos começar a melhorar a saúde das pessoas que vivem com várias doenças crónicas e depois partilhar o que aprendemos com outros", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.