Irão acusa professor britânico de espionagem

Abbas Edalat é professor de ciências informáticas no Imperial College, em Londres. Está detido desde o dia 15 de abril

As forças de segurança iranianas detiveram recentemente os presumíveis elementos de uma célula de espionagem ligada a Londres, incluindo um professor universitário com dupla nacionalidade britânica e iraniana, confirmou hoje a agência iraniana Fars.

Os detidos, cujo número não foi divulgado, faziam parte de uma rede que tentava realizar operações de espionagem para o Reino Unido, indicou a mesma fonte.

Também terão mantido contactos com os líderes dos protestos reformistas de 2009 contra a reeleição para a presidência do ultraconservador Mahmud Ahmadinejad e com outros grupos contra o sistema da República Islâmica.

O britânico-iraniano detido é Abbas Edalat, professor de ciências informáticas no Imperial College de Londres e militante pacifista.

Segundo o Centro dos Defensores dos Direitos Humanos no Irão (CHRI), sediado em Nova Iorque, Edalat foi detido na sua casa em Teerão pelos Guardas da Revolução (força de elite do exército iraniano) e está preso desde 15 de abril.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico já pediu "informações urgentemente" ao Irão sobre Edalat.

Nos últimos anos, vários cidadãos iraniano-britânicos foram detidos no Irão, que não reconhece a dupla nacionalidade.

O caso mais mediático é o de Nazanin Zaghari-Ratcliffe, funcionária da fundação Thomson Reuters, detida há dois anos e condenada a cinco anos de prisão por participação em manifestações contra o regime em 2009, o que ela nega.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.