Professor dispara durante aula sobre armas seguras

Incidente na Califórnia causou um ferido ligeiro. E o professor, que é ex-polícia foi suspenso, por ter usado arma carregada na aula

Um professor disparou acidentalmente uma arma durante uma aula sobre segurança com armas de fogo. O disparo, na escola secundária de Seaside, no norte da Califórnia, EUA, foi em direção ao teto, mas acabou por ferir um aluno de 17 anos.

Por esclarecer está se as lesões foram provocadas por estilhaços do projétil ou partes do teto que caiu, refere a CNN. O pai do jovem falou à televisão local KSBW, onde disse que compreendia que tudo não tinha passado de um acidente. O incidente acabou, porém, por mudar a visão de Fermin Gonzales em relação à proposta do presidente norte-americano, Donald Trump, para dar armas os professores.

"Estava inclinado para aceitar que houvesse pessoas armadas nas escolas, no caso de aconteceu alguma coisa. AMas depois de hoje, percebo porque é que as pessoas defendem que não deve haver armas nas escolas", referiu Fermin Gonzales. "Se houver um acidente, podem morrer pessoas", acrescentou.

O professor, Dennis Alexander, que foi polícia, foi suspenso de funções como professor. "Devem existir muitas perguntas na cabeça dos pais, neste momento, como porquê que um professor apontou uma arma carregada para o teto em frente a alunos", salientou o superintendente PK Diffenbaugh. Em causa está o protocolo de segurança, segundo o qual a arma não deveria estar carregada.

Este incidente aconteceu um dia antes das marchas de estudantes contra as armas de fogo e em homenagem das vítimas do liceu da Floria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.