Prodígio de xadrez de 9 anos tem autorização para ficar no Reino Unido

Oriundo da Índia, o pai de Shreyas Royal recebeu ordem para sair do país. Mas conseguiu uma autorização especial para ficar: afinal, daqui a uns anos, ele poderá ser o primeiro campeão mundial de xadrez inglês

Shreyas Royal ficou tão feliz quando soube que, afinal, poderia ficar no Reino Unido que começou a dar pulos e a dançar de um lado para o outro. Agora, o rapaz de 9 anos só pensa em concretizar os seus objetivos: "Quero ser o melhor e ser campeão mundial de xadrez aos 18 anos."

A história de Shreyas foi contada em todos os jornais ingleses durante a última semana. Oriundos da Índia, os pais de Shreyas mudaram-se para o Reino Unido quando ele tinha apenas três anos O pai, Jitendra Singh, estava empregado e tinha um visto de trabalho​​​​​. Aos cinco anos, o rapaz começou a aprender xadrez e ficou imediatamente claro que ele tinha uma capacidade especial para este jogo. De então para cá, Shreyas tem representado Inglaterra em competições internacionais.

Entretanto, a família recebeu ordem para sair do país no próximo mês, quando o visto de trabalho expirar, a não ser que o paI tivesse um rendimento superior a 120 mil libras por ano - o que ele não tinha. A família e a Federação Inglesa de Xadrez apelararam à Administração Interna para que impedisse a extradição, alegando que o Shreyas seria um valor para o país.

No início da semana, a família recebeu viu o seu pedido recusado. "Não estava à espera desta resposta", disse o pai. "Existe uma lei que permite visto a pessoas com talentos especiais. O Reino Unido precisa de pessoas como o filho. Além disso, ele está a disputar o Campeonato Britânico neste momento e ficou muito desiludido."

A campanha pelo visto Shreyas Royal passou para a comunicação social e a família apelou diretamente ao ministro da Administração Interna, Sajid Javid, até que na sexta-feira, finalmente, Singh recebeu um email dizendo que o seu pedido tinha sido atendido.

O ministro da Administração Interna explicou que "após analisar cuidadosamente o caso", tomou "a decisão pessoal de permitir que Shreyas e a sua família possam continuar no Reino Unido". "O Reino Unido é um país que promove o talento de nível mundial e Shreyas é um dos melhores jogadores de xadrez da sua geração", explicou. "Sempre fomos claros quanto a querermos um sistema de imigração que acolhe indivíduos com grande talento vindos de todo o mundo."

Jotendra Singh terá agora oportunidade de se candidatar a um visto Tier 2, que é válido por mais cinco anos sem que ele tenha que sair do país. Para tal, conta com o patrocínio da empresa onde trabalha, a Tata Conultant Services, e assim poderá manter a sua família no Reino Unido. Singh tenciona candidatar-se à residência permanente.

À BBC, Leon Watson, presidente do Clude de Xadrez Battersea, de que Shreyas é membro, afirmou que esta notícia é "um alívio enorme" e que daqui a dez anos o poderá ser "um sério candidato a ser o primeiro campeão mundial inglês" da modalidade. "Shreyas é um bom rapaz e tem um grande futuro pela frente", disse.

Também Dominic Lawson, da Federação Inglesa de Xadrez, se manifestou "encantado" com a decisão de permitir a permanência no país do jovem jogador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.