Pró-Brexit Nigel Farage admite segundo referendo no Reino Unido

"Isso poria fim e de uma vez por todas a qualquer problema para uma geração", afirmou.

O eurodeputado britânico Nigel Farage, um ardente defensor do Brexit, admitiu hoje a eventualidade de um segundo referendo sobre a saída da União Europeia (UE) para silenciar em definitivo os opositores desta decisão.

Os pró-europeus, onde se inclui o ex-primeiro-ministro Tony Blair, "jamais renunciarão", considerou o antigo líder do Partido eurocético Ukip e da campanha pelo Brexit, em declarações à cadeia televisiva Channel 5.

"Vão continuar a queixar-se, a chorar e a gemer ao longo de todo o processo", acrescentou.

"Chego a pensar que talvez, verdadeiramente, talvez pudéssemos organizar um segundo referendo sobre a permanência na UE. (...) Isso poria fim e de uma vez por todas a qualquer problema para uma geração", afirmou.

Segundo Farrage, a percentagem de votantes que se pronunciaria em favor da saída seria "muito mais elevada" que a registada no referendo de 23 de junho de 2016.

"Poderíamos terminar com tudo isto e Blair desapareceria", prosseguiu.

O referendo sobre a presença do Reino Unido na UE registou 52% de votos a favor da retirada (Brexit), contra 48% a defenderem a permanência.

O antigo primeiro-ministro Tony Blair e outros políticos pró-UE da oposição apelaram à realização de um segundo escrutínio, argumentando o facto de os britânicos não terem conhecimento, no momento da votação, de todas as implicações de uma saída do Reino Unido da União. As sondagens mostram que os britânicos continuam muito divididos.

Esta eventualidade já foi excluída pela primeira-ministra conservadora, Theresa May.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.