Resultados oficiais: 66,40% dos votos para o "sim" ao aborto

O "sim" pela legalização do aborto na Irlanda obteve 66,40%

O "sim" pela legalização do aborto conquistou 66,40% dos votos, num referendo que foi considerado histórico, de acordo com os resultados oficiais hoje publicados.

No referendo de sexta-feira, os irlandeses disseram ser favoráveis à despenalização da legislação, atualmente uma das mais restritivas da Europa, anunciou o centro de contagem central baseado em Dublin.

O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, elogiou este sábado "o culminar de uma revolução silenciosa" na Irlanda, um país com uma forte tradição católica

O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, elogiou este sábado "o culminar de uma revolução silenciosa" na Irlanda, um país com uma forte tradição católica, em que o "sim" está à frente do referendo sobre a descriminalização do aborto.

"O que vemos hoje é a culminação de uma revolução silenciosa que ocorreu na Irlanda nos últimos 10 ou 20 anos", disse Leo Varadkar no canal público RTE.

"As pessoas disseram que queremos uma Constituição moderna para um país moderno, que confiamos e respeitamos as mulheres para tomarem as decisões corretas sobre a sua própria saúde", acrescentou.

Os resultados finais foram revelados este sábado, três anos após a legalização, por referendo também, do casamento entre pessoas do mesmo sexo, que já havia causado um terremoto cultural no país de 4,7 milhões de habitantes.

A legalização do aborto vai ser discutida pelo governo irlandês na próxima terça-feira

O primeiro-ministro prometeu elaborar um projeto de lei até o verão, para aprovação antes do final do ano pelo parlamento, onde o texto deve ser adotado sem dificuldade, já que os líderes dos dois principais partidos da oposição, Fianna Fail e Sinn Fein, apoiam a reforma.

O governo vai reunir-se, para tratar do assunto, na terça-feira.

O Governo irlandês defende que as mulheres sejam autorizadas a interromper a gravidez nas primeiras 12 semanas, com assistência médica certificada.

Os profissionais de saúde terão o dever de falar e debater a opção pelo aborto com a grávida, que terá de respeitar um período de três dias de reflexão.

Terminado este prazo, e se mantiver a sua vontade, poder-se-á realizar a interrupção da gravidez.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.