Shinzo Abe promete firmeza em relação à Coreia do Norte

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, prometeu hoje firmeza em relação à Coreia do Norte, após ter vencido as legislativas antecipadas.

"Como tinha prometido na campanha eleitoral, a minha tarefa iminente é agir com firmeza em relação à Coreia do Norte. Para isso, é necessário seguir uma diplomacia forte. Quero reforçar o nosso poder diplomático após a confiança que nos foi dada", afirmou Abe em declarações a um canal de televisão.

De acordo com as projeções divulgadas após o encerramento das urnas, a coligação do Partido Liberal Democrata, de Abe, com o aliado Komeito, venceu as legislativas e deverá obter a maioria absoluta.

"Temos que aceitar esta vitória com humildade", afirmou Abe em declaração à NHK, pedindo também ao seu partido para "esperar pelos resultados definitivos" e "assumir as críticas" que recebeu de muitos votantes.

A vitória permitirá a Abe manter-se na chefia do Governo até 2021 e ver a sua legitimidade reforçada para enfrentar as ameaças da Coreia do Norte, que recentemente disparou dois mísseis que sobrevoaram território do Japão.

A breve campanha eleitoral de 12 dias esteve centrada na economia e na questão norte-coreana.

O envolvimento em escândalos de favoritismo afetou a popularidade do primeiro-ministro japonês, também abalada pela derrota histórica do seu partido nas eleições autárquicas em Tóquio, em julho, perante a formação da carismática governadora Yuriko Koike da capital nipónica.

Perante este cenário, Abe, de 63 anos, decidiu dissolver a Câmara dos Representantes (baixa) do parlamento mais de um ano antes da data prevista para as eleições.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.