Shinzo Abe promete firmeza em relação à Coreia do Norte

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, prometeu hoje firmeza em relação à Coreia do Norte, após ter vencido as legislativas antecipadas.

"Como tinha prometido na campanha eleitoral, a minha tarefa iminente é agir com firmeza em relação à Coreia do Norte. Para isso, é necessário seguir uma diplomacia forte. Quero reforçar o nosso poder diplomático após a confiança que nos foi dada", afirmou Abe em declarações a um canal de televisão.

De acordo com as projeções divulgadas após o encerramento das urnas, a coligação do Partido Liberal Democrata, de Abe, com o aliado Komeito, venceu as legislativas e deverá obter a maioria absoluta.

"Temos que aceitar esta vitória com humildade", afirmou Abe em declaração à NHK, pedindo também ao seu partido para "esperar pelos resultados definitivos" e "assumir as críticas" que recebeu de muitos votantes.

A vitória permitirá a Abe manter-se na chefia do Governo até 2021 e ver a sua legitimidade reforçada para enfrentar as ameaças da Coreia do Norte, que recentemente disparou dois mísseis que sobrevoaram território do Japão.

A breve campanha eleitoral de 12 dias esteve centrada na economia e na questão norte-coreana.

O envolvimento em escândalos de favoritismo afetou a popularidade do primeiro-ministro japonês, também abalada pela derrota histórica do seu partido nas eleições autárquicas em Tóquio, em julho, perante a formação da carismática governadora Yuriko Koike da capital nipónica.

Perante este cenário, Abe, de 63 anos, decidiu dissolver a Câmara dos Representantes (baixa) do parlamento mais de um ano antes da data prevista para as eleições.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?