Primeiro-ministro irlandês Enda Kenny anuncia demissão

Kenny continuará a exercer funções até à eleição de um sucessor

O primeiro-ministro da Irlanda, Enda Kenny, anunciou que vai demitir-se à meia-noite de hoje da liderança do Fine Gael (conservador), mas que mantém funções como chefe de Governo até à eleição de um sucessor, a 2 de junho.

"Vou deixar a liderança do Fine Gael com efeitos a partir da meia-noite de hoje", afirmou num comunicado.

"Quero assegurar que durante este processo interno, continuarei a exercer as minhas funções como primeiro-ministro", escreveu.

Kenny, 66 anos, lidera o partido há 15 anos e o governo há mais de 6.

O ministro da Habitação, Simon Coveney, e o ministro da Proteção Social, Leo Varadkar, são apontados como favoritos à sua sucessão.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.