Primeiro ministro da Hungria defende criação de "novo espaço Schengen"

Viktor Orbán esteve esta sexta-feira em Lisboa

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, defendeu hoje, em declarações à Lusa, a criação de um "novo (espaço) Schengen", como pré-condição para um sistema europeu de asilo reformulado.

"Temos de reformar Schengen, ou criar um novo Schengen, é a pré-condição para qualquer espécie de sistema de asilo positivo. Esta é a posição da Hungria", afirmou Viktor Orbán, que participou hoje em Lisboa numa reunião do comité executivo da Internacional Democrata do Centro (IDC).

O acordo de Schengen de 1985 criou um espaço europeu de fronteiras abertas e livre circulação de pessoas entre os 26 países signatários.

O chefe do governo húngaro afirmou também que a defesa das fonteiras do seu país constitui uma prioridade.

"Estamos muito concentrados na defesa das nossas fronteiras, porque o que pensamos que é necessário alterar de imediato não é o sistema de pedido de asilo mas defender as fronteiras", referiu Orbán.

Ao comentar a recente visita do primeiro-ministro português, António Costa, à Grécia e a disponibilidade imediata de Portugal para acolher 1.250 refugiados, Orbán sublinhou a existência de uma "lógica diferente" entre os dois países.

"Penso que todas as decisões e medidas dependem dos parlamentos e dos governos nacionais. Nós somos diferentes, temos uma abordagem diferente, apreciamos que os portugueses estejam tão ativos, mas os húngaros seguem a sua própria lógica", afirmou.

O primeiro-ministro húngaro, no poder desde 2010 após ter ocupado pela primeira vez o cargo entre 1998 e 2002, tem-se revelado um firme opositor ao acolhimento de migrantes, com o seu Governo a considerar como delinquente todo o migrante que atravesse a vedação de arame farpado erguida no outono por Budapeste nas fronteiras com a Sérvia e Croácia.

Cerca de 400.000 pessoas transitaram pela Hungria antes da instalação das vedações e do encerramento das fronteiras, implicando a posterior expulsão ou mesmo a detenção de muitos migrantes.

O Governo de Budapeste recusa agora estabelecer qualquer quota relacionada com a repartição de refugiados à escala europeia, designadamente na sequência do acordo de 18 de março, entre a União Europeia e a Turquia, e que agravou as tensas relações entre Budapeste e Bruxelas.

Orbán, que chegou na tarde de quinta-feira a Lisboa, participou hoje no conclave do IDC, uma associação fundada em 1961 que agrupa os partidos políticos "democratas-cristãos e cristãos socialistas do mundo", de acordo com a uma nota enviada pelo PSD à imprensa.

O ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho esteve hoje presente nesta iniciativa, tendo convidado para o almoço de encerramento António Guterres, candidato a secretário-geral das Nações Unidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.