Primeiro-ministro da Geórgia demite-se

Demissão motivada por manifestações de milhares de pessoas e "discórdias profundas" com o presidente do partido no poder

O primeiro-ministro da Geórgia, Giorgui Kvirikachvili, anunciou esta quarta-feira a sua demissão na sequência de manifestações a que aderiram milhares de pessoas e causadas por acusações de tráfico de influência junto do aparelho judicial.

Durante um discurso na televisão, Kvirikachvili afirmou que a decisão de se demitir foi também motivada por "discórdias profundas" com o presidente do partido no poder, Sonho Georgiano, liderado pelo influente milionário e ex-primeiro-ministro do país, Bidzina Ivanichvili.

Segundo a Constituição da Geórgia, a demissão do primeiro-ministro vai implicar a queda de todo o governo desta antiga república soviética do Cáucaso.

O partido no poder na Geórgia terá sete dias a partir desta quarta-feira para escolher um candidato ao cargo de primeiro-ministro, sendo que o candidato será aceite ou rejeitado pelo presidente do país.

O novo candidato a primeiro-ministro terá de ver o seu nome aprovado pelo parlamento da Geórgia, se bem que o seu partido conta com 115 deputados de um total de 150 lugares.

Nos últimos tempos a Geórgia tem vivido um período conturbado com diversas manifestações de protesto depois de ter havido uma sentença polémica sobre a morte de dois adolescentes.

Dois dos acusados foram absolvidos o que levou a que a população georgiana protestasse contra a sentença.

O procurador-geral do país, Irakli Chotadze teve de renunciar ao cargo e o processo voltou a ser reaberto sob a pressão dos manifestantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.